Menu
sexta, 26 de fevereiro de 2021
Geral

Entre se indispor com Bolsonaro ou EUA, ministra se cala sobre futuro da exportação de MS

A preocupação de produtores do Brasil e do Estado é se a eleição dos Estados Unidos atrapalhará o setor

21 novembro 2020 - 18h10Por Rayani Santa Cruz

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, de Tereza Cristina, se calou sobre a eleição do presidente Joe Biden nos Estados Unidos e influência sobre as exportações de Mato Grosso do Sul e resto do país. Questionado pelo TopMídiaNews, o Mapa preferiu ficar em cima do muro.

“O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) não irá comentar o assunto”, diz a nota enviada.

A pergunta é incômoda para Tereza, que não pode se indispor com o presidente Jair Bolsonaro, apoiador de Trump, ou como o presente eleito estadunidense Joe Biden.

No mês de outubro, antes dos resultados, a ministra Tereza Cristina participou de entrevista no programa Conversa com Bial e disse que, do ponto de vista agropecuário, para o Brasil, seria melhor se Donald Trump ganhasse, no entanto, ela também ponderou que o país deve ter porta aberta com quem ganhasse a eleição nos EUA.

Em entrevista à Folha de São Paulo, no mês de agosto, a ministra afirmou que as exportações do Brasil vão continuar com bons números independentemente do resultado da eleição nos Estados Unidos ou de possíveis embates com a China. “Se os Estados Unidos vão vender mais para a China, a gente vende para algum lugar para o qual ele deixará de vender. Mercado é uma coisa ágil”.

Ela chegou a citar que o alinhamento com os Estados Unidos não iria mudar caso o democrata Joe Biden vencesse a eleição em novembro. “O Brasil é um ótimo parceiro para os Estados Unidos. Temos muitas coisas pra fazer em conjunto. O Biden vai adotar a linha que a gente já conhece”, afirmou na época.

Agora é esperar novas decisões e planejamentos do ministério.