Menu
sexta, 25 de setembro de 2020
Geral

Oito dias separam as mortes de Floyd e Miguel, porém algo mais aconteceu

Dois vídeos denunciam, no Brasil e nos EUA, do que é capaz a supremacia branca, seja com o ódio de um policial ou negligência de uma 1ª dama

06 junho 2020 - 11h14Por Willian Leite, com Metropoles

Ovídeo de três minutos mostra uma mulher branca segurando a porta do elevador. A mulher segura a porta e conversa com um menino que está dentro do elevador. Ele aperta um botão na altura dos olhos – talvez do térreo ou de um dos primeiros andares de uma das torres gêmeas do Condomínio Píer Maurício de Nassau, no Recife (R$ 2 milhões cada apartamento). A mulher aperta o primeiro botão de cima para baixo, ou seja, um botão para o elevador subir e não descer, como queria o menino.

Por que ela quis que o menino subisse e não descesse é uma pergunta para a polícia e a Justiça. A pergunta para nós, os que têm o coração cortado pela tragédia, é como daremos conta dessa vida que resolveu se mostrar em sua inteira crueldade. Como se algum deus malvado dissesse: vejam o que vocês têm feito.

Segundo o site Metropoles, a morte de Miguel, o garotinho negro de 5 anos, é um resumo gritante e perverso do país em que vivemos, do mundo racista e desigual que habitamos. A patroa loura, a empregada negra que trabalha na pandemia, a patroa é primeira-dama de Tamandaré (PE), o marido, prefeito, paga a empregada com dinheiro público, o sobrenome da patroa é Corte Real, o marido dela, Sérgio Hacker, teve corona, Mirtes e a mãe, Marta, também tiveram mas se curaram. As duas são empregadas da mesma patroa. A patroa faz as unhas enquanto a empregada passeia com o cachorro.

Miguel deixou fotos sorridentes de menino, mas o que vejo são os olhos arregalados de George Floyd, o negro americano morto pelo policial branco Derek Chauvin, em Minneapolis, Estados Unidos, e que provocou a maior revolta negra no país desde o assassinato de Martin Luther King em 1968.

Aqueles olhos esbugalhados de Floyd, como se saltassem para fora do corpo, com o pescoço prensado pelo joelho do policial, são os olhos de nossa ignomínia. Eles nos acusam e condenam, a nós, a espécie, aquela que Flávio Migliaccio deixou escrito que não deu certo. Não deu e não dará. Estamos sobre a Terra há 200 mil anos e até agora só patinamos entre algumas ondas de bonança e sucessivas ondas de desumanidade.

Nem por isso me é dado o direito – a menos que algum dia eu tome uma decisão sem volta como a de Migliaccio – a mim não é me dado o direito de desistir. Só me cabe continuar esperneando e tentando ser minimamente digna de nossa miserável condição humana.

Os olhos de George Floyd atravessam meus dias e minhas noites – são os olhos do racismo estrutural e sistêmico. Oito minutos e 46 segundos de Derek Chauvin apertando o pescoço de Floyd, três minutos de Sarí Gaspar Corte Real conversando com Miguel antes de apertar o botão e deixá-lo sozinho no elevador.

Há em Derek e em Sarí a convicção absoluta de sua supremacia branca. Mas se há alguma coisa muito boa acontecendo é que os negros estão perdendo a paciência. Oxalá.

Leia Também

Homem é assassinado com 6 tiros em frente a espetinho
Polícia
Homem é assassinado com 6 tiros em frente a espetinho
Rapaz morre após bater moto em carro no Estrela do Sul
Polícia
Rapaz morre após bater moto em carro no Estrela do Sul
'Eu ligava, ele não atendia', diz Mandetta sobre relação com Paulo Guedes
Geral
'Eu ligava, ele não atendia', diz Mandetta sobre relação com Paulo Guedes
País tem 13 milhões de desempregados
Geral
País tem 13 milhões de desempregados