TCE MAIO
(67) 99826-0686
PMCG - Prestação de contas

Ministro dos Esportes defende prisões de torcedores para conter violência nos estádios

Violência nos Estádios

9 DEZ 2013
Agência Brasil
19h32min
Divulgação

O ministro do Esporte, Aldo Rebelo comentou nesta segunda-feira (9), a necessidade da aplicação do Estatuto do Torcedor com punições mais severas, visando controlar episódios de violência ocorridos nos estádios brasileiros, com o ocorrido no domingo (8), durante a partidade entre o Vasco da Gama e o Atlético Paranaense, em Joinville (SC).


Na avaliação de Rebelo, o estatuto já preve todas as penas para prática de violência nos estádios, o que se faz urgente é a aplicação, como por exemplo, a prisão de torcedores que praticam a violência. " Ontem, tivemos a prisão de três torcedores quando, pelas cenas mostradas pela TV, podemos concluir rapidamente que dezenas deveriam ter sido presos”, disse o ministro.

 

“É preciso que haja o indiciamento dessas pessoas, que haja o processo judicial e a condenação para que a impunidade não estimule a repetição desses acontecimentos que vimos ontem”, ressaltou o ministro. Na tarde de ontem, os times se enfrentaram na última rodada do Campeonato Brasileiro, as torcidas entraram em confronto na arquibancada, deixando torcedores feridos – quatro tiveram de ser levados ao hospital.

 

Para o ministro, a violência em Santa Catarina não foi um fato isolado. “Nos outros incidentes [recentes de violência em estádios] aqui em São Paulo e em Brasília, as prisões também não aconteceram. Então, é preciso que as prisões aconteçam: que a polícia efetue as prisões, que os responsáveis sejam indiciados e que haja julgamento”, disse o ministro, defendendo a criação de uma delegacia especial e também de um juizado especial nos estádios para evitar os conflitos e aplicação rápida de punição.

 

A Polícia Militar de Santa Catarina informou que 113 policiais militares foram escalados para fazer a segurança no entorno do estádio, porém não atuaram dentro da arena seguindo orientação do Ministério Público estadual. Duas semanas antes da briga, o Ministério Público havia recorrido à Justiça para que os responsáveis pela Arena Joinville fossem obrigados a sanar irregularidades estruturais e funcionais.


Fonte: Agência Brasil

Veja também