Menu
segunda, 17 de janeiro de 2022 Campo Grande/MS
Geral

Sedes da Rio 2016 terão centros de combate ao terrorismo

09 setembro 2015 - 16h28Por UOL Esporte

O general Mauro Sinott, do Comando de Operações Especiais do Brasil, divulgou nesta quarta-feira mais detalhes sobre plano de segurança dos Jogos Olímpicos de 2016, incluindo informações sobre a implantação de centros de combate ao terrorismo.

"Já tivemos atentados terroristas em outras Olimpíadas, precisamos ficar atentos. Teremos 1.549 homens só das Forças Armadas destacados para o combate ao terrorismo, com minicentros espalhados nos locais de competição do Rio e também nas cidades onde serão disputadas as partidas de futebol", explicou o militar.

Além da capital fluminense, São Paulo, Brasília, Belo Horizonte, Salvador e Manaus serão palco de partidas pelo torneio de futebol no evento poliesportivo. Segundo o general Sinott, os centros estão em fase de planejamento, há um ano dos Jogos do Rio.

  

Além disso, outros 15 mil militares de todo o país serão deslocados para o Rio durante os dias de disputa, como parte de um plano integral, que visa reforçar a segurança em alguns pontos considerados sensíveis, como o estádio do Maracanã, a Vila Olímpica, o Parque de Deodoro, além dos bairros do Leblon e Barra da Tijuca."O planejamento para as Olimpíadas não entra na área de segurança pública fora das áreas dos Jogos. Caso ocorra problema, é uma decisão da presidente da República e do governador uma possível intervenção", afirmou o almirante Ademir Sobrinho, chefe de operações conjuntas do Ministério da Defesa.

O representante da Marinha ainda explicou que Polícia Federal e a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) estão trabalhando em conjunto e estão em contato com órgãos de outros países.

Por fim, foi apresentado o planejamento do combate a ataques de ciberterroristas, que será feito por uma equipe integrada por entre 100 e 200 funcionários.

"Já estamos operando desde agosto de forma preventiva. Nossa função, atendendo ao Ministério da Defesa, é a proteção da rede de computadores utilizados pelo poder público federal para a competição", disse o general de divisão Paulo Sérgio Melo de Carvalho.