Menu
Busca terça, 14 de julho de 2020
REFIS SAUDE
Geral

STF nega mais uma liminar para interferir em votação sobre cassação de Cunha

Dessa vez, Fachin negou pedido de liminar feito pelo deputado José Wellington Roberto (PR-

12 setembro 2016 - 15h48Por Agência Brasil

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou na manhã de hoje (12) mais um pedido de liminar para interferir na votação sobre a perda de mandato do deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), marcada para as 19h desta segunda-feira.

Dessa vez, Fachin negou pedido de liminar feito pelo deputado José Wellington Roberto (PR-PB), por meio de mandado de segurança, no qual ele solicitava que fosse anulada a decisão da mesa diretora da Câmara de levar à votação em plenário o parecer pela cassação de Cunha aprovado no Conselho de Ética, e não um projeto de resolução.

Diferentemente do parecer, o projeto de resolução é um instrumento da Câmara que permite a apresentação de emendas e destaques pelos deputados, o que poderia beneficiar Cunha, abrandando ou mesmo anulando sua punição.

Ontem (11), Fachin negou outra liminar, dessa vez pedida pelo próprio Cunha, para que o seu processo de cassação fosse suspenso. Nesta solicitação mais recente, o peemedebista voltou a argumentar erros de processo. Para o deputado afastado, o regimento interno da Câmara determina que cassações sejam votadas por meio de projetos de resolução e não por meio de parecer. Ele não conseguiu convencer o ministro relator do pedido no Supremo.

Antes, numa discussão de mérito realizada na quinta-feira (8), o plenário do STF já havia negado a Cunha a suspensão de seu processo de cassação.

Votação

Líderes partidários na Câmara apostam em quórum de mais de 400 parlamentares para a votação de hoje que vai decidir o futuro político do deputado.

Para evitar a cassação. Cunha busca ampliar seu apoio e enviou cartas reafirmando sua inocência a diversos aliados. O deputado afastado contextualiza todo o processo iniciado desde sua eleição para presidência da Câmara. Apesar da iniciativa, a aposta nos corredores da Casa é que Cunha não conseguirá salvar seu mandato.

Histórico

Desde outubro do ano passado, Cunha responde a um processo por quebra de decoro parlamentar por ter mentido sobre a titularidade de contas no exterior. Depois da tramitação por quase oito meses, o Conselho de Ética da Câmara aprovou, em junho, a cassação do mandato do peemedebista por 11 votos a nove.

O parlamentar, que nega ser o titular dessas contas e argumenta que é apenas usufrutuário de um trust, tentou recorrer à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) para reverter o resultado, mas não teve sucesso.

O parecer sobre o mandato do peemedebista, que renunciou à presidência da Câmara apenas em julho, está pronto para ser votado em plenário desde o fim do primeiro semestre.

 

 

 

 

 

 

 

Leia Também

Filho de idoso desafia secretaria de Anastácio: 'provem que meu pai morreu de covid'
Interior
Filho de idoso desafia secretaria de Anastácio: 'provem que meu pai morreu de covid'
Universidade distribui 100 senhas diariamente para vacinar população contra gripe
Saúde
Universidade distribui 100 senhas diariamente para vacinar população contra gripe
Edmundo se defende de críticas e diz que pagava pensão de R$ 31 mil para o filho
Geral
Edmundo se defende de críticas e diz que pagava pensão de R$ 31 mil para o filho
NA LATA: secretário escorrega no bom trabalho e manda mulheres cuidarem de marmanjos
Na Lata
NA LATA: secretário escorrega no bom trabalho e manda mulheres cuidarem de marmanjos