Menu
domingo, 29 de novembro de 2020
Geral

TRF-3 concede liberdade a filha de Amorim e desembargador ainda critica ação da PF

Ana Paula Amorim teve a prisão domiciliar revogada, mas terá que cumprir restrições

21 maio 2019 - 12h58Por Rodson Willyams

O Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF-3) concedeu habeas corpus favorável à Ana Paula Amorim, filha do empresário João Alberto Krampe Amorim. O desembargador Paulo Fontes revogou a prisão domiciliar convertendo em liberdade, mas impondo medidas cautelares. Ana Paula foi presa em 2016, durante a Operação Lama Asfáltica e aguardava o resultado do processo em prisão domiciliar em razão de possuir filhos pequenos.

Embora a decisão seja favorável, Ana Paula terá que comparecer mensalmente em juízo para justificar as atividades. Além disso, está proibida de sair do país, devendo entregar o passaporte ao Juízo de imediato. E inclusive, proibição de sair de Campo Grande por mais de 15 dias sem autorização do Juízo.

A decisão

Fontes, relator do processo, deu parecer favorável ao pedido da defesa após analisar o caso. Segundo a defesa, após ser presa, Ana Paula teve uma liminar concedida no Supremo Tribunal Federal, no bojo no HC 135.027, onde foi beneficiada, por extensão. No entanto, em 2018, a decisão mudou e ela teve que voltar à prisão domiciliar onde permaneceu por um ano e um mês até a decisão do relator.

"Os impetrantes aduzem que a paciente foi denunciada uma única vez sendo-lhe imputada a prática do delito previsto no art. 1º, caput e §4º, da Lei 9613/98. Não tendo sido denunciada outras vezes, como seu pai e outros acusados, e nem tendo sido acusada pelo delito de quadrilha ou de organização criminosa, entendem os impetrantes que o quadro inicial, sobre o qual se debruçou o Supremo Tribunal Federal ao denegar a ordem no já citado habeas, teria se alterado substancialmente, em favor da paciente", afirma no voto.

Ao se pronunciar, Fontes afirmou que: "o Supremo Tribunal Federal, na Reclamação 30.313, julgada monocraticamente pelo Exmo. Sr. Ministro Alexandre de Moraes, entendeu que esta Corte havia, ao revogar a prisão de outros investigados, descumprido sua pretérita decisão no citado Habeas Corpus, no sentido de denegar a ordem e manter as prisões. No caso da paciente, mister esclarecer que não era paciente no referido habeas corpus, julgado pelo Supremo Tribunal Federal, de maneira que aquela Corte não apreciou a sua situação específica".  

Mas que passados três anos, Ana Paula foi denunciada uma única vez, "sem imputação de pertencimento a grupo criminoso, não foram cogitados pela Egrégia Suprema Corte ao denegar a ordem no HC 135.027. Por outro lado, é mister considerar que a decisão dada em habeas corpus que denega a ordem não faz coisa julgada, no sentido em que é permitido às instâncias inferiores reavaliarem a necessidade e adequação da prisão e de outras medidas cautelares".

Fontes ainda afirma que: "a paciente está cumprindo prisão domiciliar há mais de 1 (um) ano, sem que qualquer ato tenha sido praticado na ação penal a que responde, que permanece suspensa. A narrativa acima efetuada é capaz de demonstrar a resistência ao menos de membros da Polícia Federal em dar cumprimento à decisão emanada deste Relator na referida Reclamação, com o que não se pode coadunar".

E por isso, "concedo a ordem para revogar a prisão domiciliar da paciente, para que possa responder à ação penal em liberdade, impondo-se-lhe, contudo, as seguintes medidas cautelares diversas da prisão: i) comparecimento mensal em juízo para justificar as atividades; ii) proibição de sair do país, devendo entregar o passaporte ao Juízo de imediato; iii) proibição de sair de Campo Grande por mais de 15 dias sem autorização do Juízo".

Leia Também

Advogado acusado de estupro de meninas de 11, 12 e 15 anos é solto pela Justiça de MS
Polícia
Advogado acusado de estupro de meninas de 11, 12 e 15 anos é solto pela Justiça de MS
Em Dourados, criminoso imita abordagem de polícia para cometer roubo
Interior
Em Dourados, criminoso imita abordagem de polícia para cometer roubo
Dono de bar no Centro se recusa a mostrar alvará e vai parar na Delegacia após gritar com PM
Polícia
Dono de bar no Centro se recusa a mostrar alvará e vai parar na Delegacia após gritar com PM
Dupla é alvejada com diversos disparos de arma de fogo no Santa Luzia
Polícia
Dupla é alvejada com diversos disparos de arma de fogo no Santa Luzia