Menu
terça, 07 de dezembro de 2021 Campo Grande/MS
pmcg revia negocios
Geral

Vídeo: depoimento de Lula é marcado por manifestos e confusão em aeroporto

04 março 2016 - 13h06Por Agência Brasil e Folhapress

O clima é de muita agitação no aeroporto de Congonhas, onde o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) prestou depoimento na manhã desta sexta-feira (4). Manifestantes lotam o saguão em frente à sede da Polícia Federal com diversas palavras de ordem, entre elas ‘o Brasil acordou’.

Após o depoimento, o ex-presidente seguiu direto para a sede do Partido dos Trabalhadores na Grande São Paulo. Alvo da 24ª fase da Operação Lava Jato, ele é investigado por suposto recebimento de vantagens ilícitas, como dinheiro, presentes ou imóveis de empreiteiras que mantinham contratos com a Petrobras.

Segundo o MPF (Ministério Público Federal), as investigações são para comprovar se houve ou não a participação de Lula nas decisões de beneficiamento de partidos da base aliada. Ele teria recebido cerca de R$ 20 milhões em doações para o Instituto Lula e cerca de R$ 10 milhões em palestras de empresas que também financiaram benfeitorias de um sítio em Atibaia e de um triplex no Guarujá.

Conforme informações da Agência Brasil, as empresas Camargo Corrêa, Odebrecht, UTC, OAS, Queiroz Galvão e Andrade Gutierrez, sozinhas, pagaram 60% de todas as doações para o Instituto Lula e 47% dos valores das palestras para Lula entre 2011 e 2014. Veja os vídeos das manifestações:


 Vídeos: Repórter Top



Confrontos 

Mais cedo, militantes contrários e favoráveis ao ex-presidente entraram em confronto na cidade de São Bernardo do Campo, Grande São Paulo, em frente ao prédio de Lula. Duas pessoas foram detidas pela Polícia Militar e ao menos um homem foi ferido, na cabeça.

A Avenida Francisco Prestes Maia, endereço de Lula, foi interditada em ambos os sentidos. PM montou um cordão para separar os grupos rivais, que trocam insultos e provocações. Manifestantes contrários a Lula gritam palavras de ordem como "Cadeia". Os militantes pró-Lula revidam com gritos de "Não vai ter golpe".