Menu
Busca terça, 26 de maio de 2020
camara municipal
In Memoriam

Corpo do ator e diretor Jorge Fernando será velado nesta terça-feira no Rio de Janeiro

O artista tinha 64 anos e sofreu uma parada cardíaca ao dar entrada em um hospital no Rio

28 outubro 2019 - 08h26Por Luis Abraham

O corpo do ator e diretor Jorge Fernando será velado nesta terça-feira (29) no Rio de Janeiro. O artista morreu neste domingo, aos 64 anos, ao dar entrada no Hospital Copa Star, em Copacabana, zona sul do Rio de Janeiro. De acordo com informações do G1, Jorge Fernando trabalhava na TV Globo e a última produção como diretor e ator aconteceu este ano, na novela das 19h "Verão 90".

Ele estava afastado dos trabalhos, se recuperando de um AVC e retornou após dois anos. Em nota, o Copa Star informou que o ator e diretor morreu ao dar entrada no final da tarde de ontem, devido a uma parada cardíaca "em decorrência de uma dissecção de aorta completa". O corpo será velado na terça-feira (29), no Cemitério do Caju, região dentral do Rio de Janeiro. O velório será aberto ao público das 8h às 10h. Depois permanece restrito à família e amigos mais próximos.

Na Globo, ele dirigiu muitos sucessos, como as novelas “Rainha da Sucata” e “Alma Gêmea”. Ator, diretor, escritor e humorista, Jorge Fernando foi um artista completo que revolucionou a forma de se fazer televisão no Brasil. O primeiro contato com a atuação foi ainda adolescente na escola onde estudava no Méier, zona norte do Rio de Janeiro.

Na TV, estreou no seriado “Ciranda, Cirandinha” como ator em 1978. Na década seguinte, trabalhou em várias produções e foi do outro lado das câmeras, como diretor, que encontrou a verdadeira paixão. Desde então, Jorge Fernando dirigiu 34 novelas, minisséries e seriados. A estreia como diretor aconteceu em “Coração Alado”, de Janete Clair, em 1980.

Um dos sucessos mais marcantes foi “Guerra dos Sexos”, que trazia como protagonistas Fernanda Montenegro e Paulo Autran, e foi premiado pela Associação Paulista de Críticos de Arte como o melhor diretor, em 1983, pelo trabalho ao lado de Guel Arraes.

Na trama acontece a clássica cena do café da manhã, uma das mais icônicas da teledramaturgia brasileira. Quase 30 anos depois, fez tudo de novo quando dirigiu o remake da novela, em 2012. Na década de 1990, as produções dirigidas por ele como “Rainha da Sucata”, “Vamp”, “Deus nos Acuda” e “A Próxima Vítima”, que fez o Brasil parar no último capítulo à espera da revelação de quem era o grande assassino, marcaram uma geração.

Jorge Fernando também fez história no humor com a comédia “Sai de Baixo”, levando o teatro de volta à TV e obrigou muita gente a dormir mais tarde nos domingos. Um dos sucessos mais recentes foi “Alma Gêmea”, em 2005. Uma das novelas das 18h com melhor média de audiência da história da emissora.

Depois de anos como diretor, voltou a atuar no seriado “Macho Man”, em 2011. Da TV para o teatro, dirigiu Cláudia Raia no musical “Não Fuja da Raia” e foi no espetáculo “Boom” que fez o que sabia de melhor: cantou, dançou e deu vida a diversos personagens. Foi o ensaio geral para a peça autobiográfica, “Salve Jorge”, onde reuniu histórias que marcaram a trajetória profissional. TV, cinema e teatro juntos, recontando com muito humor um pouco da história de um dos maiores nomes da cultura brasileira.

Leia Também

Bolsonaro proíbe Mandetta de trabalhar por seis meses: 'Estou abismado'
Geral
Bolsonaro proíbe Mandetta de trabalhar por seis meses: 'Estou abismado'
Investigação diz que Witzel está no topo de estrutura que fraudou contratos no Rio
Geral
Investigação diz que Witzel está no topo de estrutura que fraudou contratos no Rio
Bolsonaro acusa jornais de vitimismo ao abandonarem cobertura no Alvorada
Geral
Bolsonaro acusa jornais de vitimismo ao abandonarem cobertura no Alvorada
DESESPERADOR: Brasil tem 24.512 mortes pela covid e outros 3.883 óbitos são investigados
Geral
DESESPERADOR: Brasil tem 24.512 mortes pela covid e outros 3.883 óbitos são investigados