Menu
sábado, 25 de setembro de 2021 Campo Grande/MS
In Memoriam

Filha de Bruna será amparada pela família e pelo pai

Família aponta que jovem não tinha inimizades com ninguém

03 setembro 2021 - 17h00Por Nathalia Pelzl e Rayani Santa Cruz

Assassinada na noite desta quarta-feira (1º), no Jardim Itamaracá, em Campo Grande, Bruna Moraes Aquino, 22 anos, deixou uma filha de dois anos. 

Durante a despedida dela, na manhã de hoje (3), a tia que criou a jovem como uma filha destacou que vai dar todo suporte e amor necessário para a criança, que atende pelo nome de Lívia. 

“Vamos estar sempre presente e vai ficar da mesma forma porque o pai da Lívia pegava ela aos finais de semana, né? E aí a Lívia vai continuar com a gente. Vamos resolver com o pai dela, mas provavelmente vai ser isso mesmo do jeito que estava”, pontuou Bruna Moraes de Souza, 32 anos. 

“A Bruna não tinha inimizades. Eu tô muito assim tentando entender ainda, estou com meu coração para viver meu luto. Queremos Justiça para saber o que aconteceu, para que não seja mais um caso.  Mas que seja descoberto o que realmente aconteceu. O que eu quero é a verdade só isso”, explicou à equipe de reportagem. 

O velório e sepultamento acontece nesta sexta-feira (3), no Cemitério Jardim da Paz, na saída para Sidrolândia. 

A MORTE 

Bruna Moraes Aquino foi assassinada na noite desta quarta-feira (1º), em Campo Grande. 

A jovem estava em um WV Gol, com o namorado, quando foi atingida por disparo de arma de fogo. 

Conforme informações do boletim de ocorrência, a Polícia Militar foi acionada, por volta das 20h, para ir até à UPA (Unidade de Pronto Atendimento) do Universitário. 

No local, os militares foram informados que a jovem e o namorado de 34 anos haviam dado entrada com ferimentos de arma de fogo. 

Diante das informações, os militares foram até a rampa de acesso da emergência e encontraram Bruna morta dentro do carro. 

Em contato com o namorado, ele informou que estavam no veículo no Jardim Itamaracá quando foram atingidos. 

Ele contou que o atirador estava de roupas escuras, usava capacete e efetuou de 3 a 4 disparos. 

O homem contou que foi ferido no braço e correu para o posto ao notar que Bruna estava inconsciente. 

Questionado sobre o possível autor, o rapaz disse desconhecer quem seria, mas que na data do dia 30 estavam em uma casa noturna, quando um homem conhecido como “Wellington” teria mexido com a vítima. 

Ainda segundo ele, na ocasião, esse rapaz teria seguido eles e efetuado um disparo, que atingiu Bruna na nuca, mas que ela não quis registrar boletim de ocorrência. 

Já nesta quarta-feira (1º), antes de ser atingida, Bruna teria recebido mensagem de um rapaz chamado “Kaique”.