TJMS - novembro
Menu
Busca terça, 19 de novembro de 2019
In Memoriam

Morre aos 94 anos, Lee Iacocca, criador do lendário Ford Mustang

Além de inventar um dos carros esportivos mais importantes do mundo, executivo comandou a Ford e a Chrysler

03 julho 2019 - 10h00Por Da redação/Auto Esporte

O criador do lendário Ford Mustang, Lee Iacocca morreu nesta terça-feira (2) nos Estados Unidos. Um dos mais importantes nomes da indústria automobilística tinha 94 anos. De acordo com a família, ele teve complicações decorrentes do mal de Parkinson e morreu em sua casa, em Bel Air, na Califórnia.

Além de inventar o Mustang, Iacocca foi responsável por reerguer a Chrysler, uma gigante que na década de 1980 estava à beira da falência. Lido Anthony Iacocca nasceu em 1924 em Allentown, na Pennsylvania. Filho de um imigrante italiano vendedor de cachorro-quente, mudou seu primeiro nome para Lee.

Iacocca dirigiu a Ford Motor e depois a Chrysler, e ajudou a dar a Detroit a fama de cidade dos automóveis nos EUA. Ele se juntou à Ford como engenheiro em 1946, após o fim da Segunda Guerra Mundial — da qual se livrou por conta de uma febre reumática. Apesar de ter cursado engenharia industrial na prestigiada Universidade de Princenton, Iacocca logo ficou entediado com um emprego na área e pediu transferência para a divisão de vendas.

Nos dez anos seguintes, Iacocca se dedicou às vendas na área da Filadélfia até que, em 1956, concebeu e executou uma campanha de marketing bem-sucedida que chamou a atenção do então vice-presidente da Ford, Robert S. McNamara, que depois seria chefe do Pentágono e diretor do Banco Mundial. Aprendeu a ser um executivo e sucedeu o próprio McNamara na vice-presidência da Ford em 1960.

Em 1964 lançou o Mustang, carro esportivo histórico. Foi demitido em 1987, por Henry Ford II, neto do fundador da empresa. Assumiu a Chrysler, então em crise, e recuperou a montadora. Em 1992, Iacocca deixou o comando da Chrysler. Aposentado, investiu em bicicletas elétricas, azeite e pesquisas sobre diabetes.

Iacocca não economizava. Viajava em jato particular, hospedava-se em hotéis caros e frequentava festas com Frank Sinatra. Seu livro “Iacocca: uma autobiografia”, de 1984, tornou-se um best seller após vender 6,5 milhões de exemplares.

(Foto: Rodrigo Mora/G1/Reprodução)

A Fiat Chrysler emitiu um comunicado após a morte de Iacocca:

"A companhia lamenta a notícia da morte de Lee Iacocca. Ele desempenhou um papel histórico na direção da Chrysler em seu período de crise, tornando-a uma verdadeira força competitiva. Ele foi um dos grandes líderes de nossa empresa e da indústria automobilística como um todo. Ele também desempenhou um papel profundo e incansável no cenário nacional como estadista de negócios e filantropo.

Lee nos deu uma mentalidade que nos motiva até hoje — que é caracterizada pelo trabalho duro, dedicação e coragem. Estamos comprometidos em garantir que a Chrysler, agora FCA, seja uma empresa desse tipo, um exemplo de compromisso e respeito, conhecido pela excelência e também por sua contribuição para a sociedade. Seu legado é a resiliência e fé inabalável no futuro com os quais vivem os homens e mulheres da FCA que lutam todos os dias para viver de acordo com os altos padrões por ele estabelecidos".