TJMS JANEIRO
Menu
sexta, 21 de janeiro de 2022 Campo Grande/MS
Interior

GGI-Fron realiza Operação Brasil Integrado Centro-Sul em Corumbá

05 novembro 2015 - 13h59Por Caline Galvão/ Diário Corumbaense

O Gabinete de Gestão Integrada da Fronteira (GGI-Fron Corumbá), órgão vinculado a Secretaria Nacional de Segurança Pública iniciou nesta quinta-feira (05) a Operação Brasil Integrado Centro-Sul, que não tem data definida para ser concluída. A operação tem o objetivo de combater crimes em toda a região de fronteira, como contrabando, descaminho e tráfico de drogas.


Ela tem o intuito, também, de fiscalizar veículos em diversos pontos da cidade quanto à questão da documentação. As barreiras ocorrem ainda nas estradas vicinais e rodovias, como a BR-262, na entrada de Corumbá, e na Ramão Gomez, que dá acesso à fronteira com a Bolívia.


A operação conjunta conta com efetivo da Polícia Militar, Polícia Civil, Marinha, Exército, Agetrat, Agenfa, Receita Federal, Polícia Rodoviária Federal, Polícia Rodoviária Estadual, Polícia Federal, DOF, Guarda Municipal e Polícia Militar Ambiental. No Mato Grosso do Sul, as operações do GGI-FRON ocorrem desde 2011.


Segundo o tenente-coronel Wilson Velasques, comandante do 6º Batalhão da Polícia Militar de Corumbá, em reuniões antecipadas, cada órgão ficou com uma determinada função a ser realizada nesta operação. “Todos os órgãos que compõem o gabinete estão trabalhando. Cada unidade é incumbida de fazer uma função e a operação não tem data definida para encerrar, mas é uma ação de curto prazo. Essa operação é a nível nacional e todos os tipos de ilícitos estão sendo combatidos. A ação está sendo realizada por terra, água e ar”, afirmou Velasques.


Desde as 07h, a Receita Federal e o Exército estão realizando fiscalização na fronteira. São 30 militares e 10 servidores da Receita trabalhando no Posto Esdras. O auditor fiscal Erivelto Alencar informou que na noite de quarta-feira (04), foram apreendidos, dentro de um ônibus, 250 quilos de mercadoria contrabandeada da Bolívia, no posto da PRF na ponte, em Porto Morrinho. “Como a operação iria começar às 07h, a ideia foi antecipar e iniciar antes porque se alguém já estivesse sabendo da operação, provavelmente essa pessoa iria querer passar antes, então o objetivo era pegar de surpresa”, explicou Erivelto.


O auditor fiscal da Receita Federal também informou que uma boliviana estava sendo encaminhada depois de ter sido flagrada falsificando o MIC, que é um documento que autoriza veículos de carga a entrar no Brasil. Ela estava utilizando de maneira irregular dados de uma empresa brasileira que é regulamentada junto à Receita Federal. A empresa que trabalha com importação e exportação de cargas percebeu a falsificação e enviou denúncia, e na manhã desta quinta-feira, os fiscais conseguiram flagrar a mulher.


Desde as 08h, a Polícia Militar, a Agetrat e a Guarda Municipal realizam blitz, como no bairro Popular Velha, na Rua 15 de Novembro, esquina com a Duque de Caxias. Em duas horas de atividade, um táxi, um veículo Toyota Bandeirante e uma motocicleta foram removidos por estarem com documentação vencida. Conforme informações do agente Canavarro, da Agetrat, os donos só poderão pegar seus veículos no Detran depois de regularizarem a situação. Havia também blitz na Rua Pedro de Medeiros. O objetivo das blitzes é fiscalizar documentação, checar dados pessoais para verificar se há mandado de prisão e verificar veículo no intuito de localizar algum ilícito. Já a Polícia Civil também cumpre mandados de prisão, busca e apreensão.


O GGI-Fron é por força legal um fórum deliberativo e executivo que opera por consenso, sem hierarquia e respeitando a autonomia das instituições que o compõem. Visa coordenar o Sistema Único de Segurança Pública nos Estados com o intuito exclusivo de melhorar a articulação entre os órgãos. Essa integração, segundo o GGI-Fron, permite aperfeiçoar a gestão da segurança pública e responder com mais rapidez às demandas da área.