Maracaju III agosto verde 2022
TOP MIDIA INSTITUCIONAL
Menu
quarta, 17 de agosto de 2022 Campo Grande/MS
Dengue agosto
Interior

Lideranças pedem justiça pela morte de indígena após conflito em Amambai

O velório reuniu muitos indígenas que protestaram contra as ações policiais

27 junho 2022 - 19h46Por Vinicius Costa

As lideranças indígenas pedem justiça e imploram por paz na região de Amambai, palco onde foi vivido um conflito com o Batalhão de Choque da Polícia Militar. No confronto, Vitor Fernandes, de 42 anos, da etnia guarani kaiowá morreu na última sexta-feira (24) após ser ferido.

"Justiça pela vida do Vitor Fernandes" era uma das frases vistas nos cartazes levados pelos indígenas até o velório, que aconteceu no entorno das propriedades rurais em que houve o conflito desde a última quinta-feira (23).

O velório reuniu muitos indígenas que protestaram contra as ações policiais. Uma caravana saindo de Dourados também levou os indígenas para o enterro.

De acordo com a imprensa de Amambai, alguns índios ficaram internados no hospital após serem feridos no conflito. O número de feridos, naquela ocasião, eram de 9 pessoas e três militares do Batalhão de Choque.

Disputa 

Conforme apurado pelo TopMídiaNews, uma propriedade rural privada, denominada pelos índios como ''Território Guapoy'', é alvo de disputa entre fazendeiros e os nativos. Eles já teriam ocupado a propriedade, mas foram despejados. 

Os indígenas alegam que parte do território em questão pertencia a seus ancestrais, por isso classificam a ação como ''ocupação'' e ''retomada''.

Indígena morto

O indígena guarani-kaiowá morto em confronto com a equipe do Batalhão de Policiamento de Choque, foi identificado pela polícia como Vito Fernandes, 42 anos, em Amambai – distante  352 quilômetros de Campo Grande.

Vito, conforme o boletim de ocorrência, foi morto com três tiros.

Policiais feridos

Três policiais do Batalhão de Choque, ainda não identificados, foram baleados enquanto se aproximavam de uma fazenda.

De acordo com o Batalhão de Choque, os policiais não correm risco de morte.

Os policiais foram recebidos a tiros pelos indígenas, que ocuparam a propriedade.