Menu
Busca quarta, 03 de junho de 2020
Gov - Compre de Casa
Polícia

Acusados de latrocínio são condenados a quase 24 anos de prisão

Roubo seguido de morte

06 novembro 2013 - 16h55Por Kerolyn Araújo

Aquino Antônio de Freitas e Marcos José Leite, foram condenados pela 1ª Vara Criminal de Campo Grande à 23 anos e seis meses de prisão pelo crime de latrocínio (roubo seguido de morte).

O crime aconteceu no dia primeiro de janeiro de 2013, por volta das 18h40, em uma chácara localizada no Jardim Noroeste, em Campo Grande. Marcos era ex-funcionário da chácara da vítima, José Aniceto Ainda Aristimunho, e chamou Aquino para roubar a residência.

Ao chegarem no local do crime, Aquino se aproximou da vítima que estava dormindo na cadeira da varanda da casa, e deferiu contra José um golpe com um pedaço de pau na cabeça. Em depoimento, Freitas afirmou que não tinha a intenção de matar, apenas de deixá-lo desacordado. A dupla fugiu levando um botijão de gás, uma serra elétrica de mármore e uma serra circular.

De acordo com o juiz Thiago Nagasawa Tanaka, o crime está comprovada pelos boletins de ocorrência, pelos autos de apreensão, declarações, interrogatório, e demais provas. A autoria também recai sobre os acusados.

A defesa ainda tentou desclassificar o crime de latrocínio para homicídio, mas segundo o juiz, "diante das provas apresentadas não há dúvidas que a intenção dos réus era roubar a residência. Como a vítima estava no local e poderia identificá-los, eles decidiram matá-lo, por isso não se trata de homicídio, e sim de latrocínio", finaliza.

 

Leia Também

Motorista que tentar ‘furar’ barreira contra COVID vai perder CNH
Saúde
Motorista que tentar ‘furar’ barreira contra COVID vai perder CNH
LAGOA TORTA: cidadezinha do Centro-Oeste de MS entra no mapa do coronavírus
Saúde
LAGOA TORTA: cidadezinha do Centro-Oeste de MS entra no mapa do coronavírus
Dengue mata o dobro que a COVID em MS
Saúde
Dengue mata o dobro que a COVID em MS
Casos de dengue tiveram redução nos cinco primeiros meses do ano em Campo Grande
Cidade Morena
Casos de dengue tiveram redução nos cinco primeiros meses do ano em Campo Grande