TCE MAIO
ASSEMBLEIA MAIO DE 2022 2
Menu
sexta, 20 de maio de 2022 Campo Grande/MS
FAMASUL MAIO BANNER
Polícia

Bebê morre após passar duas semanas com a mesma fralda

Infecção causada por assaduras causou a morte da criança

01 novembro 2018 - 14h36Por Da redação / Portal R7

O bebê Sterling Koehn de apenas quatro meses morreu após ter passado entre nove e 14 dias com a mesma fralda. O corpo do bebê foi encontrado em uma cadeirinha de balanço no dia 30 de agosto de 2017 no apartamento de seus pais, Zachary Paul Koehn e Cheyanne Harris.

O pai do menino está sendo julgado por assassinato. O julgamento começou na última terça-feira (30). O triste caso ocorreu em Iowa nos Estados Unidos. A mãe de Sterling ainda será julgada.

Detalhes do triste caso foram revelados durante o julgamento. De acordo com o jornal britânico Daily Mail, o assistente do procurador geral Coleman McAllister, informou o júri que o pequeno morreu em decorrência de uma forte assadura.

Ele ainda informou que a fralda cheia de fezes acabou atraindo insetos que puseram seus ovos, o que fez com que a fralda ficasse infestada de larvas. O bebê então ficou com uma terrível assadura e acabou contraindo a bactéria Escherichia coli. “Ele morreu de assadura! Isso mesmo, assadura!”, disse McAllister ao júri.

Também foi reportado que o pequeno estava malnutrido e desidratado. O casal tem outra filha de dois anos, mas a menina estava saudável quando os socorristas encontraram seu irmão morto. O pequeno foi encontrado após seu pai ligar para a emergência informando que ele havia morrido.

O primeiro socorrista a encontrar o pequeno, o enfermeiro Toni Friedrich, se emocionou ao relatar no julgamento as condições em que o menino estava. Ele afirmou que Sterling estava em um quarto escuro e abafado e que suas roupas estavam pegajosas e com crostas de sujeira.  O enfermeiro ainda relatou que ao retirar o lençol que cobria a parte de baixo do menino, moscas voaram em sua direção.

Durante a autopsia, foi possível constatar que o bebê não havia sido lavado, trocado ou retirado da cadeirinha de balanço por mais de nove dias. O médico responsável pela autopsia afirmou que o pequeno foi assassinado já que seus pais falharam em lhe proporcionar os cuidados básicos.

Um amigo dos pais relatou no julgamento que o casal é usuário de drogas.