Menu
sexta, 25 de setembro de 2020
Polícia

Bebê morre e família encontra cadáver cheio de formiga e lençóis sujos em hospital de Corumbá

Polícia Civil já foi até o local apurar o caso

07 março 2020 - 14h26Por Thiago de Souza

Familiares de Killian Lima de Carvalho, bebê que morreu após três dias de nascido, em Corumbá, denunciam que o cadáver do pequeno estava em uma sala do hospital, coberto por formigas e envolto em lençóis sujos, na madrugada deste sábado (7), em Corumbá. 

Conforme o Diário Corumbaense, Killian nasceu de cesárea, no dia 4 deste mês, acometido de icterícia, doença que deixa a pele e os olhos amarelados. Essa mazela é comum e tratável, mas pode desencadear outros problemas e levar à morte. 

A doença de Killian foi percebida rapidamente, mas o quadro de saúde piorou, inclusive a transferência para Campo Grande foi cogitada. Porém, na madrugada de hoje, o pequeno não resistiu e morreu. Ainda segundo o Diário Corumbaense, os pais foram avisados da morte por volta das 6h. O pai do menino e a tia foram até o hospital e avisados que o corpo estava no necrotério. 

A tia foi até o local sozinha e disse ter visto o corpo do bebê enrolado em lençóis sujos e cheio de formigas. 

"Estamos todos chocados, jamais imaginamos passar por isso", disse um tio da criança.  

Até o fechamento desta matéria, a diretoria do Hospital de Corumbá não havia se manifestado ao site. A Secretaria Municipal de Saúde  prometeu acompanhar o caso junto da diretoria da unidade hospitalar. 

A Polícia Civil esteve no hospital e colheu as primeiras informações sobre o caso. 

Leia Também

Homem é assassinado com 6 tiros em frente a espetinho
Polícia
Homem é assassinado com 6 tiros em frente a espetinho
Rapaz morre após bater moto em carro no Estrela do Sul
Polícia
Rapaz morre após bater moto em carro no Estrela do Sul
'Eu ligava, ele não atendia', diz Mandetta sobre relação com Paulo Guedes
Geral
'Eu ligava, ele não atendia', diz Mandetta sobre relação com Paulo Guedes
País tem 13 milhões de desempregados
Geral
País tem 13 milhões de desempregados