TJMS JANEIRO
Menu
sábado, 22 de janeiro de 2022 Campo Grande/MS
Polícia

Bumlai e investigados podem pegar 43 anos de prisão

15 dezembro 2015 - 10h26Por Dany Nascimento

A denúncia apresentada pelo Ministério Público Federal  contra o pecuarista José Carlos Bumlai e mais 10 pessoas será analisado pela Justiça Federal, e caso seja aceita, todos se tornam réus com a possibilidade de serem condenados por até 43 anos de prisão.

De acordo com o MPF, todos são suspeitos de cometer crimes como lavagem de dinheiro, gestão fraudulenta, corrupção ativa e passiva, investigados pela Operação Lava Jato, que apura um esquema de corrupção na Petrobras. Além disso, os procuradores solicitam ainda, a reparação de R$ 53,5 milhões por danos causados à petroleira.

Bumlai é acusado de agir como um operador no pagamento de propinas do Partido dos Trabalhadores e mesmo preso desde o dia 24 de novembro, continua negando todas as acusações.

Foram denunciados pelo MPF:

– José Carlos Marques Bumlai, pecuarista: corrupção passiva, gestão fraudulenta e lavagem de dinheiro

– Maurício de Barros Bumlai, filho de Bumlai: corrupção passiva e lavagem de dinheiro

– Cristiane Barbosa Bumlai, nora de Bumlai: corrupção passiva, gestão fraudulenta e lavagem de dinheiro

– Salim Taufic Schahin, executivo do Grupo Schahin: corrupção ativa, gestão fraudulenta e lavagem de dinheiro

– Milton Taufic Schahin: corrupção ativa e gestão fraudulenta

– Fernando Schahin: corrupção ativa

– Nestor Cerveró, ex-diretor da área Internacional da Petrobras: corrupção passiva

– Jorge Zelada, ex-diretor da área Internacional da Petrobras: corrupção passiva

– Eduardo Musa, ex-gerente da Petrobras: corrupção passiva

– João Vaccari Neto, ex-tesoureiro do PT: corrupção passiva

– Fernando Soares, lobista: corrupção passiva

Conforme a denúncia, entre outubro de 2006 e dezembro de 2009,  Milton, Fernando e Salim Schahin ofereceram US$ 1 milhão em propina para Eduardo Musa, além da quitação de uma dívida de R$ 49 milhões – em valores corrigidos. Este valor seria uma vantagem indevida em favor do Partido dos Trabalhadores (PT).

Este pagamento de propina foi feito por Fernando Baiano e João Vaccari Neto, atendendo um pedido de José Carlos Bumlai e Salim Schahin.

 Segundo o procurador coordenador da força-tarefa da Lava Jato, Deltan Dallagnol, um dos esquemas envolveu uma série de empréstimos fraudulentos e, para pagar esses empréstimos, foram feitos contratos da empresa Schahin com a Petrobras.

A investigação apontou, conforme o MPF, que Bumlai fez um empréstimo junto ao Banco Schahin, que nunca foi pago. O valor de R$ 12 milhões (sem correções) teria sido usado para quitar dívidas do PT.

Como troca, Bumlai teria agido para que o Grupo Schahin fechasse o contrato de operação do navio-sonda Vitória 10.000. O pecuarista e o Grupo Schahin têm negado as acusações.