TJMS AGOSTO 2022
TOP MIDIA INSTITUCIONAL
Menu
terça, 09 de agosto de 2022 Campo Grande/MS
Expo VIP Beleza II
SENAI MOBILE JULHO AGOSTO 2022
SENAI MOBILE JULHO AGOSTO 2022
Polícia

Casal foi morto em “queima de arquivo” de crime cometido dias antes

Filho do casal teria presenciado o crime

10 junho 2019 - 13h56Por Da redação/Dourados News

O crime brutal registrado na madrugada de sexta-feira (7) na Aldeia Bororó, Reserva Indígena de Dourados, ocorreu por ‘queima de arquivo’. Conforme o delegado do SIG (Setor de Investigações Gerais), Rodolfo Daltro, uma das vítimas, Osvaldo Ferreira, 38, sabia que Gelso de Oliveira Arevalo, 38, teria sido o autor do assassinato de Felismar Benites Ortiz, 28, ocorrido no dia 3 de junho. 

Além de Gelso, Geovane da Silva Vasques, 18, também foi preso em flagrante na manhã de sábado (8) com auxílio de lideranças indígenas. Eles confessaram ter matado Osvaldo e a mulher, Rosilene Rosa Pedro, 34, com receio de que contassem sobre o crime anterior. A mulher ainda foi estuprada por ambos.

De acordo com o delegado, no início das investigações os policiais civis perceberam que a residência do casal ficava próximo do local onde o corpo de Felismar havia sido encontrado. “Quando fomos investigar a cena do crime, observamos que era muito próximo de onde ocorreu o crime de Felismar e surgiu a hipótese de Osvaldo ter visualizado o autor [do assassinato] e ter sido morto em uma queima de arquivo”, relatou Rodolfo Daltro. 

Após a prisão dos suspeitos, Gelso confessou o homicídio do dia 3 e também a ‘queima de arquivo’. “Gelso disse que matou Felismar e estava com medo de Osvaldo denunciar ele. Com a ajuda do outro rapaz [Geovane], assassinou o homem. Os dois também estupraram a mulher em seguida e a mataram”, disse ao Dourados News. Ainda conforme Daltro, o filho do casal, menino de 9 anos, teria presenciado toda a cena.

No momento em que a dupla esfaqueava a mãe, ele conseguiu fugir e se abrigou em uma árvore, onde passou a noite. Ao amanhecer, a criança se deslocou até a escola onde estuda e relatou aos professores sobre a morte dos pais. Gelso e Geovane foram presos em flagrante após lideranças indígenas os localizarem na região da Perimetral Norte. A polícia agora representará pela prisão preventiva de ambos. 

Frieza

O delegado do 1º Distrito Policial, Gabriel Desterro, que realizou o flagrante no dia em que os suspeitos foram presos, afirmou que durante o depoimento de ambos, ficou clara a frieza como cometeram o ato. 

“A crueldade impressiona, não só por todo o fato ter sido feito na presença de uma criança, mas também por ter ocorrido uma premeditação. Durante todo o interrogatório, ficou claro que o crime foi para encobrir o outro homicídio”, relatou.

Gelson e Geovane responderão por duplo homicídio e estupro nesse caso. O primeiro ainda terá que responder pela morte de Felismar Benites.