Menu
segunda, 28 de setembro de 2020
Polícia

Criança de 11 anos é morta com tiro após primo ordenar ajoelhar e rezar em MS

Autor, de 23 anos, tentou fugir e foi preso em propriedade rural, mas alega que disparo foi acidental

09 junho 2019 - 10h34Por Amanda Amaral

Luiz Otávio Santana de Lima, de 11 anos, foi morto com um tiro no abdômen pelo primo Ivan Alyffer Albuquerque, de 23 anos, em uma propriedade rural a 30 km de Sidrolândia, município a 68 km de Campo Grande. Antes de disparar, o autor teria dito à vítima para ficar de joelhos e rezar, conforme testemunhas.

A cena teria sido presenciada pelo irmão da vítima, um adolescente de 13 anos. Luiz Otávio saiu de casa em companhia Ivan e do irmão para caçar numa mata na região do Cerro Corá. O autor do disparo tentou fugir ao avistar a viatura da Polícia Militar numa estrada que dá acesso a propriedade rural, mas foi contido por Alécio Ribeiro dos Santos, condutor do veículo que transportava Ivan e a vítima baleada.

"Ele tentou abrir a porta para fugir pela vegetação", conta. Com a chegada dos policiais o suspeito foi colocado no compartimento da viatura. Ivan contou aos policiais que foi um disparo acidental. Uma equipe de resgate do Corpo de Bombeiros também esteve no local e presto os primeiros socorros a vítima que já chegou sem vida no Hospital Elmiria Silvério Barbosa.

O caso aconteceu na tarde de sábado (8), segundo o site Região News. A Polícia Militar identificou que o tiro foi à queima roupa com revólver de calibre 22.

 

Leia Também

Brasil registra mais 335 mortes ligadas à covid-19
CORONAVÍRUS
Brasil registra mais 335 mortes ligadas à covid-19
Setembro Amarelo: MS conta com ações de divulgação do CVV e apoio para famílias em luto
Saúde
Setembro Amarelo: MS conta com ações de divulgação do CVV e apoio para famílias em luto
Criança cai no rio e desaparece na Barra do São Lourenço em Corumbá
Interior
Criança cai no rio e desaparece na Barra do São Lourenço em Corumbá
No "novo normal", tradição de Cosme e Damião se mantém em Corumbá
Interior
No "novo normal", tradição de Cosme e Damião se mantém em Corumbá