Menu
domingo, 22 de maio de 2022 Campo Grande/MS
GOV EMPREGO MAIO
Polícia

Crianças relataram dores na vagina após suposto abuso de professora na Capital

Uma das crianças foi ao ginecologista, mas médico que não houve rompimento de hímen, mas detalhou que isso não significa que não houve abuso

13 maio 2022 - 16h04Por Vinicius Costa

O suposto abuso de uma professora de uma escola particular no bairro Santa Fé, em Campo Grande, contra alunas ainda está sendo investigado pela Depca (Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente). No entanto, pelo menos duas criança teriam relatado sentir dores na vagina após a prática do crime sexual.

Uma dessas crianças, de 3 anos, chegou a ser levada para o ginecologista pela mãe. No entanto, após a consulta, o médico que atendeu a paciente informou para a responsável que o hímen não estava rompido, mas isso não significaria que não pudesse ter acontecido o abuso.

Na tarde de quinta-feira (12), a mãe dessa criança esteve na delegacia para prestar depoimento e relatar o que aconteceu desde que descobriu as possíveis práticas sexuais cometidas pela professora. Em relato emocionante, a empresária, de 42 anos, destacou que sua filha chupava seu dedo em casa.

Nesse meio tempo, a criança passou a ter mudanças de comportamento, como querendo ficar somente com a mãe, não queria tomar banho e tampouco deixava a própria responsável passar "a mão na perereca", pois reclamava de dor na vagina.

"Gostaria que isso fosse uma mentira. Eu estou me sentindo muito mal, não sei o que fazer", disse a mãe em conversa com a imprensa na saída do depoimento.

A adulta conta que levou um tremendo susto quando viu a pequena chupar o dedo dela. 

"Em março, ela chupou o meu dedo de forma sensual, maliciosa e eu assustei", contou a mulher. Ela questionou a garota, que revelou ser a professora que fazia isso. A mãe chegou a insistir para saber se não foi o avô ou o próprio pai, mas a menina garantiu ser a professora.

Esta é a segunda mãe que vai denunciar o caso. A mãe de uma menina de 3 anos, procurou a Polícia Civil no dia 9 deste mês e deu relato semelhante.