Menu
Busca segunda, 21 de outubro de 2019
Top Ms
Polícia

'De picolezeiro a governador': ninguém está salvo de grupo de extermínio, diz investigação

A frase é de Jamil Name Filho, captada em conversa de WhatsApp

29 setembro 2019 - 10h53Por Vinícius Squinelo

A investigação sobre a suposta organização criminosa presa na sexta-feira mostra uma vertente tenebrosa do submundo de Mato Grosso do Sul. Chamado primeiro de ‘milícia’, o grupo alvo de operação do Gaeco (Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado) ganha outro nome durante o trabalho investigativo: grupo de extermínio.

“De picolezeiro a governador”. A frase é de Jamil Name Filho, captada em conversa de WhatsApp, onde o investigado, apontado como líder do grupo junto ao pai, falava sobre quem poderia entrar na alça de mira da matança.

Conforme os investigadores – em trecho destacado pelo juiz Marcelo Ivo de Oliveira – o objetivo do grupo seria ‘eliminar inimigos e desafetos da Família Name, seja por motivos de ordem profissional (negócios) ou mesmo pessoal’.

Assim, qualquer um em Mato Grosso do Sul poderia ser alvo de assassinato e, como destacado por Name Filho, até mesmo o governador.

Junto ao pai, Name Filho é apontado na investigação como integrante do núcleo número 1 da milícia, os líderes da operação.

Eles seriam, ainda de acordo com os investigadores, responsáveis pelas ordens (inclusive dos alvos), e pela manutenção prática do grupo – casas, armamentos, munições e toda estrutura necessária para a realização dos crimes.

Pai e filho permanecem, neste domingo (29), presos em Campo Grande. Porém, a defesa já adiantou que tenta novo habeas corpus neste início de semana, após o processo receber um magistrado titular.