Menu
sábado, 27 de novembro de 2021 Campo Grande/MS
pmcg revia negocios
Polícia

Robin Hood às avessas: dupla especialista em furtar casas de pessoas carentes é presa na Capital

Apesar de furtar pessoas humildes, um dos ladrões é de classe média e pratica crimes por hobby

21 agosto 2018 - 12h40Por Anna Gomes

Alan Bruno Gonçalves Ribeiro, 31, e Daniel Gomes Martins, 20, foram presos após cometerem vários furtos na Capital e também no interior do Estado. Usando um carro Chevrolet Corsa, de cor preta, eles sondavam a rotina das vítimas, todas elas moradores de bairros carentes.

Conforme o delegado Reginaldo Salomão, da Derf (Delegacia Especializada de Roubos e Furtos), a dupla está sendo investigada em pelo menos 13 crimes, sendo três deles já confirmados. A polícia adianta que quem reconhecer os ladrões ou o veículo usado pelos criminosos deve comparecer a delegacia para registrar queixa dos bandidos.

Ainda segundo o delegado, Alan e Daniel só furtavam residências de pessoas humildes. Primeiro, eles estudavam a rotina dos moradores, em seguida, quando percebiam que não havia pessoas nas casas, eles invadiam e ‘faziam uma mudança’, furtavam tudo. Levaram geladeiras, televisores e até alimentos de pessoas carentes.

(Carro usado pela dupla. Foto: André de Abreu)

Salomão ressalta que, além de Campo Grande, a dupla já teria furtado casas em Terenos, Aquidauana, Inocência e Anastácio. Apesar de gostar de tirar o que as pessoas humildes lutam com muito suor para conquistar, o ladrão Alan, de humilde não tem nada. Segundo a polícia, furtar casas, para ele, seria como um ‘passatempo’, pois ele é de uma família de classe média.

Os dois praticavam os crimes juntos, mas quem era o responsável por vender os objetos furtados seria Daniel. A dupla foi presa na tarde de ontem (21), no Jardim Batistão, na Capital.

O ‘ladrão de classe média’ já foi preso várias vezes que pode até ser considerado um ‘sócio’ da polícia. Ele estava no semiaberto desde abril deste ano e todos os furtos cometidos por ele e seu comparsa foram realizados nesses quatro meses que ele estava solto.