(67) 99826-0686
REFIS FEV.

Lista da Operação Midas traz envolvidos em outros escândalos e homenageados por políticos

Alguns deles possuem ligações com Lama Asfáltica e Coffee Break

21 SET 2016
Rodson Willyams
07h00min
Foto: Arquivo TopMídiaNews

Alguns dos alvos da Operação Midas, deflagrada pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado) na manhã desta terça-feira (20), são velhos conhecidos, com extensos históricos em investigações e escândalos.

Entre os notificados está Ariel Dittmar Raghiant, proprietário de empresa citada na Operação Lama Asfáltica, responsável por obras de recuperação na área do ‘lixão’, a empresa Coletto Engenharia Ltda. O relacionamento entre a empresa e outro pivô da Operação Lama Asfáltica, João Alberto Krampe Amorim, também citado na Operação Midas, chamou a atenção da Polícia Federal. 

Segundo relatório da 1ª fase das investigações, a Coletto seria parte do esquema criminoso de fraude em licitações de obras públicas que culminou na prisão preventiva de Edson Giroto, Beto Mariano, entre outros poderosos de Mato Grosso do Sul. Outro notificado, Ricardo Teixeira Albaneze teria ligações com a Coletto, inclusive assinado contratos com a prefeitura de Campo Grande. 

Luciano Fonseca Coppola foi diretor de serviços públicos da secretaria de Obras de Campo Grande, durante a gestão do então prefeito de Campo Grande, André Puccinelli, do PMDB. O mesmo teve que ir à Justiça Federal para prestar esclarecimento sobre o escândalo da Engecap. Na época, ele declarou que não tinham sido encontradas irregularidades nas obras auditadas, embora as investigações da época apontarem para outra direção. Luciano seria sócio de Giroto em uma fazenda denominada Bela Vista, em Jaraguari.  

Pedro Marilto Vidal de Paulo, médico ortopedista e traumatologista foi punido e teve o registro cassado pelo Conselho Regional de Medicina, devido a várias atitudes antiéticas realizada nos anos de 2014 e 2015. Entre as denúncias, o médico foi acusado de dar receitas sem avaliar o paciente e de encaminhar pacientes a colegas que estavam em exercício irregular com a medicina. Por essa e outras razões, acabou cassado. 

Homenageados 
Outros ainda acabaram homenageados pela Câmara Municipal. Em 20012, Carlos Gustavo Cardoso Coppola foi uma das personalidades homenageadas devido a ações relevantes em favor do Meio Ambiente, pelo atual vereador Jamal Salem, do PR. A esposa de André Scaff, Karina Ribeiro Maura Scaff foi homenageada em 2013, pelo vereador Paulo Siufi, do PMDB, em comemoração ao Dia do Artista Regional. 

O empresário e pecuarista João Abib Mansur, diretor presidente do Grupo J. Mansur Pecuária, também foi homenageado na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul em 2011. Na ocasião, foi homenageado pelos deputados Antônio Carlos Arroyo (PR) e Cabo Almi (PT), em que entregaram o Título de Cidadão Sul-Mato-Grossense. 

Na relação ainda há parlamentares e ex-parlamentares. 
Com mandatos para notificação estão os vereadores, Carlos Augusto, do PSB, e o vice-presidente da Casa da Leis, Flávio César, do PSDB. Ambos estão envolvidos na Operação Coffee Break e foram denunciados pela Procuradoria-Geral da Justiça à Justiça. 

Ainda consta o principal braço direito do atual prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal, do PP, Paulo Pedra, do PDT. Pedra teve o mandato cassado após o Tribunal Superior Eleitoral por compra de votos nas eleições de 2012. 

Confira a lista completa: André Luiz dos Santos, Andreia Silva de Lima, Ariel Dittmar Raghiant, Carlos Augusto Borges, Carlos Gustavo Cardoso Coppola, Conrado Jacobina Stephanini, Flávio César Mendes de Oliveira, Guilherme Muller, João Abib Mansur, João Alberto Krampe Amorim dos Santos, José Audax Cesar Oliva, José Luiz Moreno Bisogenin, Luciano Fonseca Coppola, Mariana Andrade D´avilla Souza, Olmar Aparecido Moura, Orlando Torre da Silva, Paulo Francisco Coimbra Pedra, Pedro Marilto Vidal de Paulo, Reginaldo João Bacha, Ricardo Schettini Figueiredo, Ricardo Teixeira Albaneze, Sandra Maristela. 

Veja também