Menu
Busca sexta, 15 de novembro de 2019
Polícia

Escolas de Três Lagoas são alvos de fake news e conteúdo aterroriza moradores

Em uma das escolas, o boato era que estudantes haviam sido esfaqueados durante a tarde de ontem

10 outubro 2019 - 09h20Por Da redação/JP News

A disseminação de notícias falsas, as chamadas “fake news”, pela internet, continua causando problemas, transtornos e preocupação. Mais uma vez, escolas de Três Lagoas são afetadas por notícias falsas divulgadas em redes sociais. Na tarde desta quarta-feira (9), desconhecidos publicaram mensagens em um aplicativo de que um professor da escola estadual Fernando Correia teria atacado uma aluna, dentro da sala de aula.

O caso ganhou repercussão e mobilizou pais de alunos e professores. Nas mensagens, pessoas ainda não identificadas citam que o professor teria beijado a menina e feito convites para levá-la a um motel da cidade. Diz, ainda, que os pais da adolescente teriam sido informados do crime de assédio sexual e denunciado à polícia.

A reportagem do JP News falou com a direção da escola e com a coordenação regional de educação e nada disso foi confirmado. Mais um O caso mais grave, porém, ocorreu no final da tarde de ontem, com a divulgação de notícias falsas sobre alunos da escola Jomap (João Magiano Pinto) que teriam sido esfaqueados por desconhecidos na saída da aula. Mais uma vez, uma fake news espalhou pânico.

A professora Lourdes Neres, que é diretora da escola, gravou um vídeo para o programa RCN Notícias, do Grupo RCN de Comunicação, para tranquilizar os pais. No vídeo, a diretora negou o conteúdo das fake news e rebateu dizendo “não aconteceu nada disso que estão veiculando.

Estávamos na escola até às 17h40 e ninguém esfaqueou ninguém. O que soltaram foi uma fake news muito séria”. No início da noite, a diretora da escola foi à delegacia da Polícia Civil e registrou o fato. Loures Neres contou que encontrou um site com ameaças contra alunos e revelou aos policiais que uma estudante da escola fez ameaça de se vingar da direção e da escola Jomap, no período da tarde. O nome da adolescente foi passado aos policiais para investigação.

(Foto: reprodução/JP News)