TCE MAIO
(67) 99826-0686
PMCG - Prestação de contas

Com fiança de quase R$ 30 mil, casal Olarte é liberado e usará tornozeleira

Liberdade provisória foi conquistada com série de restrições

27 SET 2016
Airton Raes
14h11min

O juiz da 1ª Vara Criminal, Roberto Ferreira Filho, determinou nesta terça-feira, 27 de setembro, a liberdade provisória do ex-vice-prefeito de Campo Grande, Gilmar Olarte, e de sua esposa, Andreia Olarte. Eles estão presos desde 15 de agosto, quando foi deflagrada a Operação Pecúnia.

Cada um terá que pagar fiança no valor de R$14,9 mil. O casal terá prisão domiciliar e serão obrigados a utilizar tornozeleiras eletrônicas que indicarão a sua localização. Também terão que comparecer uma vez por mês à Justiça para comprovar suas atividades, estão proibidos de deixar Campo Grande e devem entregar seus passaportes. Estão proibidos de entrar em contato com as testemunhas do caso e com os demais acusados. O desrespeito a tais condições implica em eventual revogação e retorno a prisão.

O juiz destacou que não existe necessidade de Andreia e Gilmar permanecerem presos, uma vez de que não há provas concretas de que eles possuem condições de interferir nas investigações. “Estas cautelares, ao meu ver, podem, de modo satisfatório, substituir a medida extremada prisão provisória, que deve sempre e sempre se tratada como ultima ratio, sem prejuízo da necessidade de atender os mesmos propósitos daquela”, escreveu o juiz no despacho.

Gilmar Olarte renunciou ao cargo de vice-prefeito e de prefeito de Campo Grande para que os processos que estavam tramitando em foro privilegiado pudessem tramitar em primeira instância, facilitando a liberdade provisória do casal.  

De acordo com o MPE (Ministério Público Estadual), entre os anos 2014 e 2015, enquanto Gilmar ocupava o cargo de prefeito, “sua esposa adquiriu vários imóveis na capital, alguns em nome de terceiros, com pagamentos iniciais em elevadas quantias, fazendo o pagamento ora em dinheiro vivo, ora utilizando-se de transferências bancárias e depósitos, os quais, a princípio, são incompatíveis com a renda do casal”.

Veja também