Menu
segunda, 17 de janeiro de 2022 Campo Grande/MS
Polícia

Nova modalidade de fraude, ‘golpe da milhagem’ faz vítimas na Capital

14 novembro 2015 - 11h03Por Mariana Anunciação

O programa de milhagens, sistema em que o cliente de determinada companhia aérea realiza compras com o cartão de crédito para acumular pontos que podem ser trocados por passagens mais baratas, virou o mais novo alvo dos criminosos. Conhecido como 'golpe da milhagem', o crime consiste no roubo dos pontos acumulados e já fez as primeiras vítimas em Campo Grande.

O comerciante Marcelo Américo dos Reis, de 51 anos, conta que descobriu o 'desaparecimento' das milhas por acaso. “Como viajo direto do Rio de Janeiro para Campo Grande, sou cliente da empresa Azul Linhas Aéreas Brasileiras e tinha 99 mil pontos de milhagem. Percebi que pegaram 87 mil pontos ao acessar o site para comprar uma passagem”.

Marcelo entrou em contato com o serviço de atendimento da empresa que o orientou a trocar a senha de acesso e aguardar a análise do problema. A empresa alegou que como a senha é de responsabilidade dele, a princípio, não devolveriam a pontuação subtraída. Diante disso, Reis resolveu denunciar o caso à polícia.

Foram registrados dois boletins de ocorrência. Um de preservação de direito e o outro por furto qualificado com abuso de confiança, ou mediante fraude ou escalada e destreza. “É muito importante registrar os fatos para que a Polícia Civil tenha conhecimento sobre o crime para, a partir daí, poder investigar. Quanto mais detalhes melhor, auxiliam na investigação e elucidação”, destaca o delegado plantonista da Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) Centro, João Eduardo Santana Davanço.

O delegado explica ainda que tal crime não se trata de um caso isolado em Campo Grande, inclusive, o golpe começa a se popularizar nos grandes centros do país. “As pessoas devem ficar espertas”, disse Davanço, ao explicar que os criminosos têm acesso ao cadastro de clientes de empresas áreas, se passam pelos donos das contas para fazer as viagens ou resgatam os bilhetes ou transferem as milhas em troca de dinheiro.

O problema de Marcelo se agravou recentemente. Quando resolveu fazer outra viagem para Campo Grande, ele percebeu, através da internet, que o seu CPF também estava vinculado a mais duas pessoas, aparecendo em seu histórico no site, viagens as quais não fez. “Na segunda-feira (09), eu viajei do Rio para Campo Grande enquanto quem roubou minhas milhas veio de Porto Alegre para Florianópolis”, disse.

A empresa já constatou a fraude e, conforme o protocolo de atendimento, está analisando a situação. “Estou indignado com a empresa que não me dá o suporte necessário no problema de milhagens. Me sinto muito lesado”, desabafou a vítima, ao contar que acionará um advogado para acompanhar o caso, enquanto aguarda o desfecho policial.