Menu
segunda, 17 de janeiro de 2022 Campo Grande/MS
Polícia

Operação Santo Cristo resulta na prisão de oito pessoas em Campo Grande

29 setembro 2015 - 11h48Por Mariana Anunciação

A Delegacia Especializada de Repressão ao Narcotráfico (Denar) deflagrou na tarde desta segunda-feira (28), por volta das 15h, a Operação Santo Cristo para cumprir 4 mandados de prisão e deter criminosos na região do Cristo Redentor, em Campo Grande. Além de 4 foragidos da Colônia Penal Agrícola, os policiais também prenderam, até as 23h de ontem, mais 4 pessoas em flagrante.

Foram cumpridos mandados de prisão de Wellington Lopes de Oliveira, 25 anos; Roque Neres da Silva, 41 anos; Eder José Herrera, vulgo Peloco, 25 anos e Jorge Mendonça, 38 anos, que vive ilegalmente no Brasil e é do Paraguai. Apenas Eder foi encontrado na residência da mãe, Jorge também estava pela região, enquanto os demais foram localizados na Rua Maria José Oliveira Leite.

Durante abordagem da polícia em frente a tal residência de onde saíram os dois indivíduos suspeitos, a guarnição resolveu adentrar no imóvel. No local, estava Joseane Oliveira Nunes, 22 anos, conhecida como Jô, junto com o seu marido Mario Augusto Mendes de Oliveira, 28 anos e o parceiro Jairo Dionísio, de 27 anos.  

Foram encontrados no imóvel maconha, munição calibre 12, peças de automóveis, documentos de um PM que havia sido furtado a cerca de um mês e uma caminhonete S10, com placas HRH-2751 de Campo Grande, que havia sido furtada na manhã de ontem. “Sou apenas usuário, minha esposa não tem nada haver. Só estávamos usando drogas”, tentou se defender Mario Augusto.

Ainda durante a operação foi encontrado Claudecir Rodrigues, de 29 anos, conhecido como Tatinha, em outra residência, contendo maconha, porção de cocaína e balança de precisão. Os envolvidos foram autuados em flagrante por tráfico de drogas, associação criminosa, receptação (caminhonete), porte de armas (por causa da munição).

 

Foto: Geovonni Gomes

 

“Estamos trabalhando na comprovação do vínculo deles. As investigações iniciaram com informações de populares e estávamos monitorando o local. A atuação da Denar é porque os veículos eram utilizados como moeda de troca para drogas, tanto é que um deles é do Paraguai e, provavelmente, responsável pela venda. Tudo indica que o local servia como desmanche e estão envolvimentos em outros crimes”, destacou o delegado João Paulo Sartori, que aproveitou para pedir à população para fazer denúncias via (67) 3345-0000.