Menu
domingo, 27 de setembro de 2020
Polícia

Paciente furta ambulância em hospital para não ir para casa a pé

“Eu só pedi emprestado. Se é público é nosso, né”, declarou a mulher que saiu dirigindo a ambulância do hospital

28 março 2019 - 15h30Por Da redação/Portal Ric Mais

Uma mulher furtou uma ambulância no Hospital Municipal de Ponta Grossa, na região dos Campos Gerais do Paraná, para não voltar para casa a pé durante a manhã desta quarta-feira (27), por volta das 8h. À polícia, Rosângela Regina de Souza Pinto, 43 anos, afirmou que apenas pegou o veículo emprestado.

Ganha alta e furta ambulância

Rosângela deu entrada no Pronto Socorro do hospital com cólica renal na noite de terça-feira (27), após ficar algumas horas no local para receber a medicação necessária, ela foi liberada pelos médicos e foi nesse momento que a paciente saiu dirigindo a ambulância. Segundo a mulher, ela só tomou a medida extrema porque não tinha como ir para casa e estava sem seu celular.

“Eu pedi ‘pelo amor de Deus, me chame um Uber que eu pago ou um táxi. Chamei a ambulância, pedi pra polícia, pedi pra todo mundo, ninguém me levou embora. Eu tava cansada, tinha tomado um monte de medicamento. Aí, eu vi a ambulância aberta e a chave na ignição. Daí, eu falei ‘então, eu vou embora’”, contou.

Polícia acha que é trote

Logo que chegou em casa, a própria Rosana ligou para a Polícia Militar (PM), pelo 190, avisando que alguém deveria buscar a viatura que ela havia pego no hospital. Porém, para que os policiais acreditassem na história foram necessárias várias ligações.

“Eu cheguei perto de casa e liguei para eles e falei ‘eu vim embora porque ninguém trouxe eu e eu quero devolver. Só que eles acharam que era trote, aí, liguei uma dez vezes e fiquei sentada esperando para devolver. Então, eu só pedi emprestado. Se é público é nosso, né”, declarou em entrevista ao site A Rede.

Pede desculpas à sociedade

No entanto, mesmo alegando que se tratou apenas de um empréstimo, ela acabou conduzida pela Guarda Municipal, que foi atender a ocorrência, à delegacia da Polícia Civil, onde um inquérito foi aberto para apurar o caso.

Rosangela prestou depoimento, foi liberada e se desculpou por ter levado a ambulância. “Na hora eu tava tão dopada de medicamento que eu acho que nem [...] Agora, que eu caí na real do que eu fiz. Eu peço desculpas pra sociedade de ter feito isso", disse chorando durante entrevista.

Leia Também

Brasil registra 869 novas mortes nas últimas 24 horas
CORONAVÍRUS
Brasil registra 869 novas mortes nas últimas 24 horas
Primeiro castramóvel chega em janeiro e vai atender bairros mais vulneráveis em Campo Grande
Cidade Morena
Primeiro castramóvel chega em janeiro e vai atender bairros mais vulneráveis em Campo Grande
Em dois anos, MS ganha 54 mil eleitores e mulheres definem eleição
Cidade Morena
Em dois anos, MS ganha 54 mil eleitores e mulheres definem eleição
Bebê com atrofia muscular morre após campanha para importar remédio de cerca de R$ 11 milhões
Geral
Bebê com atrofia muscular morre após campanha para importar remédio de cerca de R$ 11 milhões