TCE MAIO
TJMS MAIO
Menu
terça, 24 de maio de 2022 Campo Grande/MS
ASSEMBLEIA MAIO DE 2022
Polícia

“Pagaria cada centavo que peguei dela”, se arrepende o acusado de agredir e esfaquear idosa

Ele teria sido instigado a cometer o crime ao escutar a vítima comentar sobre uma suposta compra imobiliária

11 dezembro 2018 - 13h26Por Da redação / Dourados News

Após ser preso na manhã de ontem (10) em Dourados, o acusado de agredir e esfaquear uma mulher de 60 anos durante assalto no sábado (8), o jardineiro douradense Edinaldo Félix Rocha, de 32 anos, se diz arrependido.

Segundo o Dourados News, o autor afirmou ter agido num ato de 'desespero'. “Pagaria cada centavo que peguei dela. Ela foi uma pessoa que me ajudou e não deveria ter feito isso com ela”, disse.

Edinaldo era jardineiro da vítima e sabia onde ela guardava o dinheiro do escritório em que trabalha. Na noite de sexta-feira (7) ele se escondeu atrás do padrão de energia da casa e pela manhã no sábado invadiu a residência, agrediu a mulher e ainda desferiu duas facadas. 

Ele deixou a vítima desacordada e após ser socorrida pela irmã, a proprietária do imóvel acabou sendo internada na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do Hospital da Vida. Edinaldo garantiu que não tinha intenção de matar a mulher. 

No dia do crime ele roubou uma quantia de R$ 2 mil que estava na bolsa da idosa. Em depoimento ele relatou que teria sido instigado a cometer o crime ao escutar a vítima comentar sobre uma suposta compra imobiliária.

Segundo o delegado responsável pelo caso, Rodolfo Daltro, a mulher havia vendido um terreno e ao escutar sobre o fato, Edinaldo foi atiçado a cometer o roubo. O crime chamou atenção pela violência aplicada contra a vítima, que teve o rosto desfigurado e levou duas facadas nas costas.

"O rapaz não tem antecendentes criminais e quando me encontrei com a vítima ontem no hospital e citamos o nome dele, ela não acreditou que poderia ser de fato Edinaldo", afirmou o delegado dizendo que a proprietária classificava o jardineiro como "bonzinho" e "confiável". 

Ainda segundo o investigador, o autor não soube explicar porque o uso de tanta violência contra a vítima.