(67) 99826-0686
PMCG - REFIS 01 a 30/07/2019

Pai que baleou filho diz que apenas se defendeu e que vítima estava em surto

Éder Lincoln, que estava escondido em Sidrolândia, foi ouvido e liberado

24 JUN 2019
Thiago de Souza e Amanda Amaral
18h20min
Foto: Reprodução Facebook

Éder Lincoln Gonçalves da Cunha, 54 anos, se apresentou à Polícia Civil na tarde desta segunda-feira (24), na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) Centro, em Campo Grande. Ele é suspeito de atirar no filho Endreo Lincoln Ferreira da Cunha, 28 anos, na tarde de sábado (22). Éder diz que baleou o filho em legítima defesa, já que ele estava em surto.

Conforme o depoimento, Éder diz que o filho morava com ele na casa onde o crime ocorreu, na Rua das Garças. No entanto, no sábado (22) ele teria ido até o local falar com o pai, dia depois de retirar pertences e móveis, pois havia ido morar com a mãe, Alessandra Ferreira.

Endreo, diz o pai, estava tentando entrar na casa e aparentemente em surto. Ele conta que viu o filho pulando o muro e ficou com medo, por isso tentou atirou para cima e fazer Endreo recuar, mas atingiu o tórax da vítima.

Éder diz que, após o tiro, entrou no prédio e fechou a porta. No entanto, a vítima teria conseguido quebrar a porta e entrou. Quando viu que Endreo estava ferido, o pai teria pedido para uma funcionária chamar o socorro. Ele narrou também que o filho tentou pegar facas na cozinha e teria quebrado diversas coisas no imóvel.

Ainda segundo o suspeito, diante do contexto de uma ocorrência com arma e um ferido, achou que seria preso e, por impulso, fugiu, após o filho dizer que tinha acionado a polícia. Ele teria reforçado o apelo à secretária para acionar o socorro, saiu em uma camionete Hilux e a deixou em um lava jato.

Em seguida pegou um táxi e foi para Sidrolândia. Lá, ficou na casa de parentes e, no domingo, contratou um advogado.

Arma usada para atirar no filho. (Foto: Amanda Amaral)

A delegada Daniella Kades disse que, na versão do pai, o motivo da briga entre os dois não é sobre a suposta dívida de R$ 2 milhões, e que o relacionamento dos dois era muito turbulento.  

''Parece que a relação de dinheiro entre pai e filho era que o filho não estava satisfeito com os direitos que ele tinha na empresa, queria sempre mais e um valor que desse para ir embora para São Paulo com a mãe'', informou Kades.

A delegada disse ainda que a jornalista Alessandra Ferreira, mãe de Endreo, possui uma medida protetiva contra o ex-marido na Delegacia da Mulher (Deam).

''O Éder tem algumas passagens por violência doméstica, mas está separado da ex-mulher há 20 anos e não tem contato. Mas até agora só temos depoimentos dele e nada documental'', disse Kades.

O advogado José Roberto Rodrigues Rosa, que defende Éder, contou que o filho queria R$ 200 mil para cursar medicina no Paraguai, mais R$ 10 mil de pensão, algo que o pai teria negado. Endreo recebia, diz Rosa, R$ 2.800 mensais como ajuda de custo, em tese, por ser funcionário da empresa familiar.

José Rosa vai aguardar sair o laudo da perícia sobre o ferimento do rapaz  para estruturar a tese de legítima defesa. Éder não tinha permissão para utilizar a arma, de calibre .38. O item estava em inventário, seria herdada a ele e está com a polícia para ser periciada.

Ainda serão intimados a depor , Alessandra, o outro filho do casal, Endreo, a secretária da empresa e um segurança, que seria funcionário antigo da família.


O crime

De acordo com o boletim de ocorrência, na tarde de sábado (22), Endreo foi até a sede da empresa do pai, na rua das Garças e queria entrar no local. Éder não teria autorizado a entrada e  o filho subiu no muro do prédio, atravessou uma marquise e conseguiu entrar no imóvel.

Ainda de acordo com o registro policial, Endreo entrou pelo corredor lateral, momento em que o pai abriu a porta da cozinha, que dá acesso ao corredor e armado com um revólver calibre 38 atirou no filho. Eder trancou a porta, pegou uma caminhonete Hilux e fugiu.

Uma testemunha, que trabalha na recepção da empresa, confirmou a versão da vítima e disse que durante a confusão, o atirador havia pedido a ela que chamasse a polícia.

Endreo foi socorrido até a Santa Casa com um tiro no tórax, mas na manhã seguinte fugiu do hospital alegando demora no atendimento.  

Veja também