Menu
Busca segunda, 16 de dezembro de 2019
Polícia

PMA prende dois assentados e interdita matadouros em Terenos

Os infratores receberam voz de prisão pelo porte ilegal das armas e por crime ambiental

15 outubro 2019 - 13h46Por Diana Christie

A PMA (Polícia Militar Ambiental) interditou, nesta segunda-feira (14), dois matadouros clandestinos no assentamento Santa Mônica, em Terenos.

O primeiro abatedouro estava no lote 98, pertencente a um assentado de 34 anos. Ele estava carneando uma novilha pendurada em uma talha quando a fiscalização chegou.

Para a polícia, o infrator afirmou que matou o bovino com uma faca, mas em vistoria no local, a PMA encontrou um rifle Winchester calibre 22, com sete munições, sem documentos.

Também encontrou partes do animal escondidas por uma lona e uma motosserra sem documentos em uma caminhonete Chevrolet S10, pertencente ao assentado.

As atividades foram interditadas e o homem autuado administrativamente em R$ 5 mil por funcionar atividade potencialmente poluidora sem licença ambiental e em R$ 1 mil pela posse da motosserra ilegal.

Próximo dali, no lote 72, outro abatedouro clandestino foi fechado. No momento em que os policiais chegaram, o proprietário também carneava um bovino.

No local também foi encontrado um rifle Winchester calibre 22 sem documentos, utilizado no abate.

O homem de 55 anos, residente em Campo Grande, foi autuado administrativamente em R$ 5 mil por funcionar atividade potencialmente poluidora sem licença ambiental.

Em nenhum dos locais existia qualquer estrutura de higiene e de tratamento dos resíduos. A carne apreendida foi levada para destino adequado em um curtume por agentes da vigilância sanitária que participaram da operação.

Os infratores receberam voz de prisão pelo porte ilegal das armas e foram conduzidos à Delegacia de Polícia Civil de Terenos, onde foram autuados em flagrante e saíram depois de pagamento de fiança.

Eles também responderão por crime ambiental de funcionar atividade potencialmente poluidora sem autorização ambiental, com pena prevista de três meses a um ano de detenção.