Menu
Busca sábado, 04 de julho de 2020
MS DIGITAL - COMPET
Polícia

PMA prende homem por pesca proibida no Estado

O infrator utilizava petrechos ilegais e capturou peixes de até 10kg

05 setembro 2016 - 09h39Por Dany Nascimento

Os Policiais Militares Ambientais de Batayporã prenderam um pescador durante fiscalização no rio Baía, afluente do rio Paraná, na tarde ontem (4).

O homem estava em uma embarcação no rio, conferindo redes que havia armado e retirando peixes desses petrechos ilegais de pesca. No momento da abordagem, os policiais constataram que diversos peixes estavam presos nas redes e pesavam em torno de 10 kg.

Como os peixes ainda estavam vivos, foram soltos no rio pelos policiais. Os petrechos, que mediam 200 metros foram apreendidos. Esse tipo de petrecho tem uso proibido, devido ao alto poder de captura e de degradação dos cardumes.

No acampamento onde o infrator estava foram apreendidos 6 kg de peixes, com sinais de captura pelas redes. Também foram apreendidos um barco e um motor de popa O pescador iniciava a pescaria ilegal, por isso ainda não havia capturado maior quantidade de pescado.

O pescador, cujo nome não foi divulgado foi conduzido, juntamente como o material apreendido para a delegacia de Polícia Civil de Batayporã, sendo autuado em flagrante por crime ambiental de pesca predatória e saiu após pagar fiança.

Caso seja condenado, poderá pegar pena de um a três anos de detenção. A PMA também autuou administrativamente o infrator e arbitrou multa de R$ 820,00.

 

Leia Também

Após Pioneiros, é a vez da Filinto Müller ser recapeada em Campo Grande
Cidade Morena
Após Pioneiros, é a vez da Filinto Müller ser recapeada em Campo Grande
COVID-19: Brasil tem mais 37 mil casos e registra 1.091 novas mortes
Saúde
COVID-19: Brasil tem mais 37 mil casos e registra 1.091 novas mortes
Prefeitura confirma 3ª morte por Covid em Paranaíba
Saúde
Prefeitura confirma 3ª morte por Covid em Paranaíba
Deputado detona ação contra cloroquina: 'querem matar autorizado pelo Supremo'
Política
Deputado detona ação contra cloroquina: 'querem matar autorizado pelo Supremo'