Menu
domingo, 13 de junho de 2021
Polícia

Sobrinho que matou tio queimado tem julgamento marcado para a próxima semana

Crime aconteceu no ano de 2017 e suspeito matou ex-presidente da OAB de Aquidauana após brigas e discussões

10 junho 2021 - 16h12Por Vinicius Costa

Willias Alves de Arruda de Moraes, acusado de ter assassinado o próprio tio, o advogado e ex-presidente da OAB de Aquidauana, Severino Alves de Moura, passa por julgamento na próxima quarta-feira, dia 16 de junho. O crime aconteceu em dezembro de 2017 e comoveu a cidade do interior de Mato Grosso do Sul pelo forma com que tudo ocorreu.

A OAB-MS (Ordem dos Advogados do Brasil) da 3° subseção informou que o julgamento acontece às 9h, de maneira online e com o link da transmissão sendo disponibilizado para a população que tiver o interesse em acompanhar.

Willias está preso desde o dia 13 de dezembro daquele ano, quando foi encontrado pela Polícia Civil de Aquidauana em uma casa, no Bairro Alto. A prisão ocorreu após o depoimento de alguns peões que relataram sobre o dia do crime, que ajudaram a polícia a pedir a prisão preventiva.

O assassinato de Severino aconteceu após algumas discussões e brigas envolvendo o sobrinho e as irmãs. Willias era o filho da irmã mais velha de Severino, e durante as discussões, tomava as dores da mãe e a defendia perante o tio.

No dia do crime, a briga entre tio e sobrinho teria ocorrido por conta da construção de uma cerca, na propriedade rural do advogado. O suspeito queria fazer uma cerca para ser usada como passagem e para isso chamou dois peões. No entanto, o tio era contra e teria dado ordens para interromper o serviço.

Tio e sobrinho teriam trocado agressões físicas e a vítima foi dominada e asfixiada. Em seguida, o veterinário colocou o tio desfalecido dentro da caminhonete Hilux, e teria dito aos peões que o encontrassem cerca de dez quilômetros à frente.

Para a polícia, Willias incendiou o tio dentro da caminhonete, em uma propriedade rural. Na sequência ele teria voltado para a fazenda e depois para Aquidauana.