Menu
quinta, 24 de setembro de 2020
Polícia

VÍDEO: mulher atacada com ácido pelo ex-marido corre em busca de ajuda

Segundo parentes, vítima estaria 'irreconhecível' e em estado gravíssimo; Homem cometeu suicídio

27 abril 2019 - 11h12Por Redação

O momento em que uma mulher pede ajuda para os vizinhos depois que o ex-marido,  tentou matá-la foi registrado por câmeras de segurança. O caso aconteceu na noite de quinta-feira (25), em Sobradinho, no Distrito Federal.

As imagens mostram Cássia Regina da Silva, de 47 anos, que sai pela porta de casa e corre pela rua. O vigilante Júlio César Villa Nova, de 55 anos, jogou ácido e tentou atirar na ex-mulher, mas a arma usada falhou. De acordo com o delegado plantonista da 13ª DP, Wander Machado, o homem jogou o ácido após uma discussão e tirou a própria vida logo depois.

A vítima foi socorrida e levada para o Hospital Regional da Asa Norte (Hran) e segue internada em estado gravíssimo. A mulher sofreu queimaduras de terceiro grau, provocadas pelo ácido, no rosto, no tórax e nas pernas. Segundo o portal G1, Cássia segue, até o momento, entubada, sedada e respirando por aparelhos.

O casal teve relacionamento por 15 anos. Conforme familiares da vítima, ela estaria irreconhecível após os ferimentos do ataque. 

De acordo com a Polícia Civil, que registrou o caso como tentativa de feminicídio, o vigilante planejou a morte de Cássia. Os dois viveram juntos por 15 anos.

Leia Também

Relator da PEC da 2ª instância, Fábio Trad lamenta: 'não há articulação para aprovar o texto'
Política
Relator da PEC da 2ª instância, Fábio Trad lamenta: 'não há articulação para aprovar o texto'
Obstetra envolvida em morte de Sheyza dá caminhão como fiança e fica solta
Interior
Obstetra envolvida em morte de Sheyza dá caminhão como fiança e fica solta
Baleado na mão e no tórax, vítima do falso frete segue estável em UPA
Cidade Morena
Baleado na mão e no tórax, vítima do falso frete segue estável em UPA
Usuário de drogas é morto com tiro no pescoço no Itamaracá
Polícia
Usuário de drogas é morto com tiro no pescoço no Itamaracá