TCE Novembro
TJMS DEZEMBRO
Menu
sexta, 03 de dezembro de 2021 Campo Grande/MS
ALMS - NOVEMBRO
Política

Abaixo-assinado pede que TJMS recuse lista sêxtupla da OAB/MS

30 abril 2016 - 17h16Por Airton Raes

Abaixo-assinado iniciado neste sábado (30) pede que o Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul recuse a lista sêxtupla formada pela OAB/MS (Ordem dos Advogados de Mato Grosso do Sul) para a escolha da vaga de desembargador pelo Quinto Constitucional.

O abaixo-assinado online com o título “RECUSA LISTA, TJ/MS! #recusalistatjms” foi feito no site peticaopublica.com.br. Até o encerramento da reportagem (17h16) constava com 32 adesões.  

“Nós, cidadãos sul-mato-grossenses, indignados com a forma antirrepublicana e contrária ao princípio da transparência e da moralidade pública que caracterizou a disputa para a formação da lista sêxtupla na OAB/MS, com denúncias graves e publicadas na imprensa de manipulação e armação prévia do resultado, pedimos aos Desembargadores do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul que rejeitem a lista encaminhada pela OAB/MS por não espelhar o critério do mérito intelectual e formação jurídica dos candidatos inscritos, mas apenas a relação de amizade com determinado e restrito grupo de pessoas, o que depõe contra a credibilidade do certame”, diz o texto da petição eletrônica, que não tem assinatura de autor.

Durante a votação realizada pelo Conselho a Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional de Mato Grosso do Sul, o advogado Marcelo Barbosa Martins, ex-presidente da Ordem em 1988-1989, ficou inconformado com o resultado da eleição, que não contemplou o nome do advogado e também ex-presidente, Fábio Trad. Martins suspeita que o ex-parlamentar estivesse sofrendo 'boicote' por determinado grupo.

O atual presidente da OAB/MS, Mansour Karmouche, é alvo de indignação de parte dos advogados de Mato Grosso do Sul. No fim do ano passado, profissionais entraram em contato com o TopMídiaNews, denunciando suposta "preferência" e "pressão" do atual presidente para um candidato específico à vaga de desembargador.

O abaixo-assinado pode ser acessado aqui.