TJMS JANEIRO
Menu
sexta, 21 de janeiro de 2022 Campo Grande/MS
Política

Bernal diz que pedido de apreensão de celulares é estratégia de 'rivais'

24 outubro 2015 - 08h02Por Dany Nascimento

Após ser notificado para entregar, 'se quiser', o celular ao Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado), o prefeito Alcides Bernal afirmou que o pedido, feito pelo vereador Edil Albuquerque (PMDB), através do advogado Renê Siufi, é uma 'prova' de que os parlamentares investigados na Operação Cooffe Break tentam prolongar as investigações.

"Essa questão significa claramente uma pressão perante a sociedade. Eles querem fazer as vítimas virarem vilãs aos olhos da sociedade e utilizam essa estratégia e estão desmoralizando o Gaeco porque se depender deles, a operação terá um fim daqui a um século", diz o prefeito.

De acordo com o Gaeco, Bernal e os vereadores que serão notificados não são obrigados a entregar os aparelhos, já que a notificação não é uma medida judicial.

Sobre o pedido de apreensão, Bernal garante que já esperava atitudes de 'ataque' da defesa dos que estariam possivelmente envolvidos em um suposto esquema que levou a cassação do prefeito em março de 2014.

 "Eles tentam a todo tempo fazer um ataque de desrespeito, com essa estratégia fica cada vez mais claro a pressão que eles tentam fazer na tentativa de desviar o foco das investigação, na tentativa de pressionar testemunhas e adiar ainda mais o resultado das investigações".

O prefeito destacou ainda, que vai se reunir com o secretário Municipal de Governo, Paulo Pedra, e até segunda-feira terá uma resposta sobre entregar ou não o celular aos investigadores.

Com a possibilidade do prefeito se negar a entregar o celular, o advogado Renê Siufi afirmou ao TopMídiaNews que caso isso aconteça, o próximo passo será recorrer a atitude. "Se ele se negar nós vamos recorrer e recusando, eles deixam claro que alguma coisa tem de errado. Não estamos tentando adiar as investigações, mas como existe uma dúvida de que Bernal ofereceu dinheiro para não ser cassado, queremos que isso seja investigado. Se ele não deve, que entregue o aparelho então".

Bernal e Paulo Pedra já foram notificados e estudam o que fazer. Ainda serão notificados os vereadores Alex do PT, Ayrton do PT, Luiza Ribeiro (PPS), Cazuza (PP), Paulo Pedra (PDT), João Rocha (PSDB), Chiquinho Telles (PSD), Delei Pinheiro (PSD), Coringa (PSD), Carla Stephanini (PMDB), Vanderlei Cabeludo (PMDB) e Juliana Zorzo (PSC) e a deputada estadual Grazielle Machado (PR). Zeca do PT, Elizeu Dionísio (PSDB), que eram vereadores na época da cassação de Bernal e agora são deputados federais, e Rose Modesto, que além de vice-governadora ocupa cargo de Secretaria Estadual.