tjms 18/01 a21/01/2021
Menu
quarta, 20 de janeiro de 2021
dengue
Política

BOLSA-INTERNET: bolsonarista é contra e defende uso de rede de TV aberta para aulas EAD

Outros parlamentares acham a ideia válida; bolsonarista elogia governo de MS pelo uso da TV Educativa em aulas

05 julho 2020 - 09h30Por Rayani Santa Cruz

No Senado Federal, dois projetos relacionados ao acesso à internet para estudantes de baixa renda conseguir estudar EAD, por conta da pandemia estão em tramitação. As propostas Bolsa-Internet e Auxílio Conexão visam auxílio financeiro a essas pessoas. 

Completamente contra, o bolsonarista Luiz Ovando (PSL) já indaga: “e o computador? Porque se a família é de baixa renda e não possui o valor para pagar internet, também vai faltar o eletrônico para manter o acesso certo? Eu sou contra e fico preocupado quando jogam esses projetos dessa forma. Alguém terá que pagar isso, porque gera despesa”, disse, ao mesmo tempo que elogiou a ação do governo do estado, que está transmitindo aulas pela Rede MS de Integração de Rádio e Televisão.

“Olha o governo de MS está de parabéns pela iniciativa em rede aberta. Se você coloca a TV fica muito mais fácil o acesso. Atualmente, todo mundo possui um aparelho de televisão, e a transmissão chega às pessoas mais carentes. E se as aulas forem transmitidas em horário benéfico ao aluno, a contribuição é melhor ainda. Agora o projeto de auxílio à internet é ruim, porque nem todo mundo tem notebook”, concluiu o parlamentar.

Concordam

Para o deputado Fábio Trad, a ideia é válida.  “Concordo com entusiasmo. Creio que o acesso à internet é direito de primeira necessidade para a transformação do indivíduo em cidadão”.

Já Beto Pereira diz que a criação de ferramentas, seja TV ou internet, são de responsabilidade do Estado. “É dever e responsabilidade do Estado (no sentido amplo) oferecer acesso à educação. Se nesse momento o ensino precisa ser feito à distância, acho justo que se criem ferramentas para atender as necessidades dos estudantes, sejam elas por transmissão em TV aberta ou via internet com uma ajuda de custo para as famílias que não conseguem pagar uma assinatura”.