(67) 99826-0686

Câmara espera resultado das eleições para analisar orçamento de 2017

De praxe, novo prefeito deve opinar sobre aplicação do dinheiro de Campo Grande

20 OUT 2016
Rodson Willyams
12h30min
Foto: Arquivo TopMídiaNews

A Câmara Municipal permanece à espera de uma definição das eleições municipais para dar continuidade a projetos importantes para o município que permanecem estacionados. Na relação de projetos está a aprovação da LOA (Lei Orçamentária Anual) para o ano de 2017. 

Porém, como de praxe, a Casa deve aguardar o novo (a) prefeito (a), que deverá determinar de que forma será aplicado o orçamento para o próximo ano. No entanto, em junho deste ano, os parlamentares aprovaram em Plenário o Projeto de Lei n° 8.267/16, de autoria do Poder Executivo Municipal, que dispõe sobre as diretrizes para elaboração da Lei Orçamentárias do Município de Campo Grande, para o exercício financeiro de 2017. 

Segundo o agora ex-relator da lei de diretrizes orçamentárias, vereador Mario Cesar, do PMDB, a LDO 2017 prevê um crescimento de 3,16%, chegando a R$ 3.563.376,00. O relatório foi lido em Plenário e recebeu 147 emendas, sendo 110 apresentadas pelos parlamentares e 37 em nome da Casa de Leis. Por conterem o mesmo tema, as 147 emendas foram condensadas em 87 no total. “Dessas 87 emendas condensadas, nove estavam prejudicadas por não estarem de acordo com a legislação vigente e foram retiradas. Dessa forma o relatório final passou a contemplar 78 emendas”, explicou, na época, Mario Cesar.

Nesta quinta-feira (20), Mario Cesar passou a relatoria da LDO pra outro vereador, Eduardo Romero (Rede).

Agora, de acordo com a assessoria de imprensa da Câmara Municipal, em relação à LOA, desde o último dia 30 de setembro foi iniciada a apresentação de emendas. Após esse prazo, um relatório do orçamento será feito contendo essas emendas. No entanto, a sessão legislativa não fecha enquanto os parlamentares não votarem a LOA. 

IPTU 
Outro ponto que pode entrar em pauta é o que pode taxar o IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano), porém, o projeto precisa ser encaminhando pelo atual prefeito Alcides Bernal, do PP, à Câmara Municipal. 

De acordo com a assessoria de imprensa, "o IPTU 2017 deve ser definido em 2016, mas só vai projeto para a Câmara quando há reajuste. Se for reposição da inflação, que sempre foi a política adotada pelo prefeito, não há essa necessidade. Ainda não há essa definição". 

Veja também