GOV AGEMS
Menu
quarta, 08 de dezembro de 2021 Campo Grande/MS
pmcg revia negocios
Política

Candidatos ao governo de MS respondem sobre educação, saúde e corrupção em último debate na TV

Ensino em tempo integral foi destacado pelos postulantes a chefe do poder executivo

02 outubro 2018 - 21h57Por Thiago de Souza

No segundo bloco do debate com os candidatos ao governo de MS, feito pela TV Morena, na noite desta terça-feira (2), os temas mais relevantes foram educação, saúde e corrupção. Azambuja destacou transparência para combater o desvio de dinheiro público e, na educação, Bluma destacou a modernização do setor.

Odilon de Oliveira (PDT) questionou Azambuja sobre o tema e foi respondido que a criação da Controladoria-Geral do Estado foi ferramenta importante para controle do dinheiro público. O candidato à reeleição novamente destacou a transparência e eficiência dos gastos públicos.

O pedetista disse que vai criar comissão com integrantes do Ministério Público, Ordem dos Advogados do Brasil e imprensa para fiscalizar as ações do governo e evitar a corrupção.

Sobre educação, João Alfredo (PSOL) citou necessidade de ares-condicionados nas escolas de MS, devido ao clima tropical. Marcelo Bluma (PV) falou sobre a necessidade de modernizar os laboratórios de informática, por conta do avanço tecnológico. O engenheiro também destacou o aprofundamento do ensino em tempo integral e melhorias salariais para os professores.

Segurança Pública

Junior Mochi (MDB) citou a necessidade do Governo Federal em intervir no problema da segurança pública do estado.

João Alfredo (PSOL) disse que os 17 mil detentos do Estado superam as oito mil vagas disponíveis. A superlotação se dá em função do narcotráfico e promete alterar a legislação e devolver os presos para os estados de origem, já que muitos não moram em MS.

Privatização

Humberto Amaducci (PT) questionou sobre proposta de privatização da Sanesul e da MSGás. Azambuja destacou que como as empresas de saneamento e de gás natural funcionam bem com recursos próprios, não será necessário privatizá-las.