Menu
terça, 18 de janeiro de 2022 Campo Grande/MS
Política

Chefe de gabinete preso na Lava Jato teria relação de ‘pai e filho’ com Delcídio

13 dezembro 2015 - 14h50Por com Folha de São Paulo

O advogado Diogo Ferreira Rodrigues, chefe do gabinete do senador Delcídio do Amaral (PT) e preso junto com ele no dia 25 de novembro, era conhecido entre amigos e servidores por ser o ‘braço direito’ do político sul-mato-grossense. Enquanto Delcídio permanece preso em Curitiba, Diogo está em uma carceragem da Polícia Federal em Brasília, sozinho.

Segundo o jornal Folha de São Paulo, ele era considerado homem forte do senador e mantinha uma relação de extrema confiança com ele, tanto que acabou sendo gravado em reunião entre Delcídio e Bernardo, filho do ex-diretor da Petrobrás, Nestor Cerveró, com a presença do advogado Edson Ribeiro.

Na gravação, o Ministério Público entendeu como clara a intenção de Delcídio em barrar investigações da Operação Lava Jato, mediante mesada de R$ 50 mil para não ter seu nome citado em delação premiada, e em arquitetar uma possível fuga de Cerveró do país.

O jornal de São Paulo afirmou também que o chefe de gabinete era considerado um ‘ótimo profissional’, organizava todos os compromissos do petista, estando sempre a par dos acontecimentos relacionados a Delcídio, tendo inclusive uma relação parecida com a de ‘pai e filho’ com ele.

A publicação ainda afirma que os investigadores consideram que Diogo não atuava só nos assuntos relativos ao mandato. Essa impressão foi reforçada após a busca e apreensão em seus endereços, onde foram encontradas cópias de trechos das delações premiadas do lobista Fernando Baiano e do ex-diretor da Petrobrás, que ainda são sigilosas. Além disso, acharam um manuscrito com nomes de ministros do Supremo que, para os investigadores, era o roteiro de Delcídio para fazer lobby pela soltura de Cerveró.

Servidor comissionado do Senado desde 2003, ele tem salário bruto de R$ 18,9 mil. Veio de Pernambuco para Brasília com seu pai, trazido pelo então senador pernambucano Carlos Wilson (1950-2009), que exerceu o cargo de 1995 a 2003. O pai de Diogo trabalha com o líder do PT na Casa, Humberto Costa (PE).