TJMS JANEIRO
Menu
sexta, 21 de janeiro de 2022 Campo Grande/MS
Política

Com risco de afastamento, vereadores devem se defender nesta semana

Coffee Break

16 novembro 2015 - 18h15Por Rodson Willyams

Os vereadores Edson Shimabukuro, do PTB, e Carlos Augusto Borges, o Carlão do PSB, têm até a próxima quinta-feira (19) para apresentar defesa sobre o pedido de afastamento encaminhado pelo Gaeco (Grupo Especial de Repressão ao Crime Organizado) ao Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul.

Os parlamentares foram denunciados pelo Ministério Público Estadual, após perícia do Instituto de Criminalística ter constatado que os celulares entregues pelos políticos não eram os seus, de uso pessoal. Eles deveriam ter disponibilizado os aparelhos pessoais para a investigação da Operação Coffee Break.

No pedido, encaminhado ao desembargador Luiz Cláudio Bonassini, o Gaeco entendeu que os parlamentares tentaram 'atrapalhar as investigações' sobre suposto esquema para a cassação do prefeito Alcides Bernal, em março de 2014. Na mesma operação, Gilmar Olarte, do PP por liminar, e o presidente da Câmara Municipal, Mario Cesar, do PMDB, foram afastados dos respectivos cargos.

De acordo com a assessoria de imprensa do vereador Edson Shimabukuro, o vereador foi notificado na última quinta-feira (12) e a defesa está com o advogado. Porém, ainda não foi encaminhada à Justiça.

"Ele (vereador) explicou o seguinte: o aparelho é da esposa, mas a linha é dele. Quando pediram o celular, pediram o celular de uso pessoal e não o que ele usava no dia. O celular da época quebrou e ele trocou o aparelho. A esposa teria comprado um novo e passado o antigo para ele", afirmou a assessoria.

O TopMídiaNews tentou entrar em contato com o vereador Carlão, mas até o momento não obteve retorno. A assessoria de imprensa informou que o parlamentar não está na cidade e não soube informar se a defesa do parlamentar já foi encaminhada ao TJMS.

Na semana passada, a mesma assessoria explicou que o vereador possuía dois aparelhos e no dia que foi detido, o aparelho que o parlamentar portava era o funcional, e não o de uso pessoal.