Menu
Busca quinta, 09 de julho de 2020
MS DIGITAL - COMPET
Política

'Candidatura' de 'Conceição 99' reacende debate sobre o voto de protesto em Campo Grande

Branco, nulo e abstenções alcançaram 30% dos eleitores no primeiro turno

21 outubro 2016 - 07h00Por Airton Raes
'Candidatura' de 'Conceição 99' reacende debate sobre o voto de protesto em Campo Grande

Com o lançamento da campanha “Conceição Prefeita 99” para o segundo turno das eleições em Campo Grande, se reacendeu o debate sobre o voto nulo e o voto de protesto durante o pleito eleitoral. No primeiro turno os votos em branco, nulo e abstenções alcançaram 30% do eleitorado de Campo Grande, totalizando 168 mil votos.

Segundo o TSE (Tribunal Superior Eleitoral), 17.619 dos eleitores votaram em branco, o que corresponde a 3,66% dos votos válidos e 36.017 eleitores votaram nulo, correspondendo a 7,49%. Os dois candidatos ao segundo turno receberam menos votos que os 168 mil referente ao branco, nulo e abstenções. O deputado estadual Marquinhos Trad (PSD) obteve 147 mil votos e a vice-governadora Rose Modesto conseguiu 113 mil votos.  

Base do prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal, a vereadora Luiza Ribeiro (PPS) se posicionou oficialmente sobre o voto nulo nas eleições 2016. O partido em que é filiada, o PPS, declarou apoio a candidata Rose Modesto e o seu aliado Bernal declarou apoio a Marquinhos Trad.  “Não percebemos qualquer possibilidade de mudança nos projetos que restaram para a escolha de segundo turno. Rose ou Marquinhos Trad só reforçaram o atraso administrativo e político. Não nos representam”, declarou a parlamentar.

Para deputado estadual Márcio Fernandes (PMDB), o voto nulo beneficia aquele candidato que está na frente. “Independente de votar nulo, alguém vai ganhar a eleição. Ao invés de fazer voto de protesto, o eleitor pode pesquisar sobre os candidatos e votar naquele em que é similar com o que ele acredita”, explicou. O deputado estadual licenciado e secretário de Segurança pública, Barbosinha (PSB), tem a mesma opinião. “Aquele que vota nulo contribui para eleger um prefeito ruim, pois, ele poderia ter votado no candidato que estava atrás e que poderia ter feito um trabalho melhor. Nesses eleições tivemos seis municípios onde o prefeito foi eleito por um voto de diferença. Então um voto anulado faz muita diferença”, disse.  

O PSTU foi o primeiro partido que lançou candidato próprio no primeiro turno a não declarar apoio a nenhum dos candidatos e defender o voto nulo. A sigla lançou Suél Ferranti, que obteve 1,3 mil votos.  “Tanto Marquinhos quanto Rose não merece nossa confiança. Chamamos os trabalhadores e o povo pobre de Campo Grande a votarem nulo e a defenderem nas ruas um programa realmente classista que exija melhores condições de vida para a classe trabalhadora”, citou o partido em nota. 

O PSOL, que lançou Rosana Santos candidata a prefeita, também se posicionou oficialmente pelo voto nulo no segundo turno. O partido obteve 2,5 mil votos. “O PSOL estará presente em todos processos de lutas contra o avanço do projeto neoliberal. Por isso, convocamos a militância para que não vote em nenhum dos candidatos municipais, e, construa um novo modelo político de democracia direta, participativa e de base”, anunciou a sigla.

O movimento

Recentemente, grupo de eleitores insatisfeitos com a conjuntura politica nas eleições da capital criou uma personagem como “terceira via” no segundo turno de Campo Grande para estimular o voto nulo. A pagina em rede social intitulada “Conceição Prefeita 99” é apócrifa e foi criada como uma forma de estimular o debate sobre o cenário politico na Cidade. “O segundo turno das eleições em Campo Grande é uma grande piada de mau gosto. De um lado, fantasma e de família hegemonista, das máfias de Campo Grande. Do outro, mais do mesmo, a tentativa de dominar estado e município. Os dois representam a profunda desconexão entre figurinhas repetidas da política institucional e as urgências da sociedade”, cita a pagina.

Nesta segunda-feira, 17 de outubro, durante evento sindical o presidente da CUT-MS (Central única dos Trabalhadores de Mato Grosso do Sul), Genilson Duarte, e o presidente do SINTSS-MS  (Sindicato dos Trabalhadores em Seguridade Social de Mato Grosso do Sul) Alexandre Costa anunciaram apoio a candidata Conceição 99, levando a campanha do voto nulo dentro dos sindicatos.

O voto nulo, mesmo estimulado pelo voto de protesto não interfere no resultado final da eleição. De acordo com a legislação eleitoral o resultado final é calculado subtraindo os votos nulos, brancos e abstenções, sendo computados somente os votos válidos, que são aqueles que são dados a candidatos com as candidaturas aprovadas. 

Leia Também

Mulher morre em batida de caminhão e carro na BR-163
Interior
Mulher morre em batida de caminhão e carro na BR-163
Homem de 77 anos com suspeita de covid morre em São Gabriel D’Oeste
Cidades
Homem de 77 anos com suspeita de covid morre em São Gabriel D’Oeste
Grupo de pagode Buxixo faz live solidária com grandes sucessos dos anos 90
Cidade Morena
Grupo de pagode Buxixo faz live solidária com grandes sucessos dos anos 90
18 meses após tragédia, Bombeiros encontram mais um corpo em Brumadinho
Geral
18 meses após tragédia, Bombeiros encontram mais um corpo em Brumadinho