Menu
sábado, 24 de outubro de 2020
Política

Congresso quer frente em defesa da mulher, MS nem Delegacia 24h tem

Mulheres

13 fevereiro 2014 - 14h15Por Agência Brasil

Políticos liderados por gaúchos e catarinenses cobraram hoje (13) a criação de uma Frente Parlamentar Mista no Congresso Nacional pelo Fim da Violência contra as Mulheres. Uma audiência pública, na Comissão de Direitos Humanos do Senado, reuniu nesta quinta-feira representantes dessas frentes, de movimentos sociais e senadores.


"Queremos que o Senado e a Câmara possam ter também a Frente Parlamentar de Homens [pelo Fim da Violência contra as Mulheres] porque é daqui, da nossa capital federal, que podemos encorajar outros parlamentares do Brasil a também criar o grupo no seu estado, nas suas comunidades, para debater esse assunto e ajudar a fazer essa transformação da cultura machista", disse o coordenador da Frente no Rio Grande do Sul, Edegar Pretto.


Durante a audiência pública no Senado o grupo reconheceu avanços do governo federal no enfrentamento da questão como a criação da Secretaria de Políticas para as Mulheres, a Central de Atendimento à Mulher 180 e o Programa Mulher Viver sem Violência, mas por meio de uma carta reivindicaram mais delegacias especializadas de atendimento a mulher, além da instalação de juizados de violência doméstica e familiar contra a mulher, mais casas abrigo e centros e reeducação de agressores.


No Mato Grosso do Sul


A vereadora Luiza Ribeiro (PPS), espantada com o volume de casos de agressões contra as mulheres, que somente em janeiro somaram 270 boletins de ocorrência registrados na Delegacia Especializada de Atendimento a Mulher (DEAM) de Campo Grande, e o com o grau de barbárie dos crimes, enviou o terceiro ofício ao governador André Puccinelli, solicitando audiência para entrega do abaixo assinado com mais de 10 mil assinaturas solicitando atendimento da DEAM nas 24 horas.


A população sul-mato-grossense tem se revoltado contra uma política ineficaz de combate a esse tipo de crime. A Ordem dos Advogados do Brasil/MS também preocupada com o índice de violência criou a Comissão Provisória de Combate à Violência Doméstica e Familiar Contra Mulher que visa debater o tema e colaborar na busca e efetivação de políticas que puna os culpados e resguarde a integridade física e psicológica das mulheres.


"Não podemos nos calar e nos omitir diante dos dados e fatos. É a falta de políticas efetivas tem levado a vida das mulheres de nossa cidade", enfatiza Luiza Ribeiro.


 

Leia Também

Bombeiros que lutaram contra as chamas em MS recebem homenagem em Campo Grande
Cidades
Bombeiros que lutaram contra as chamas em MS recebem homenagem em Campo Grande
Prefeitura vai recorrer de decisão que aumenta tarifa do ônibus em Campo Grande
Cidade Morena
Prefeitura vai recorrer de decisão que aumenta tarifa do ônibus em Campo Grande
Imposto deve ser cobrado e tarifa de ônibus aumenta na Capital, decide desembargador
Cidade Morena
Imposto deve ser cobrado e tarifa de ônibus aumenta na Capital, decide desembargador
Com 4 acidentes em 15 dias, moradores sinalizam Jerônimo de Albuquerque por conta própria
Cidade Morena
Com 4 acidentes em 15 dias, moradores sinalizam Jerônimo de Albuquerque por conta própria