TCE MAIO
(67) 99826-0686
PMCG - Prestação de contas

Em reunião secreta entre os vereadores e Delcídio, o candidato do PT ao governo de MS pede apoio que

Articulação

3 DEZ 2013
Schimene Weber e Juliene Katayama
12h06min
Foto: Arquivo Pessoal

Em reunião às portas fechadas ocorrida na noite de ontem (02), no escritório de Pedro Chaves (PSC), secretário de Governo de Alcides Bernal (PP),o senador Delcídio do Amaral (PT) articulou o apoio dos vereadores à sua candidatura e à atual administração municipal, para a qual ele pediu um voto de confiança. Os vereadores que participaram da reunião foram Alceu Bueno (PSL), Doutor Jamal (PRB), Edson Shimabukuro (PTB), Paulo Siufi (PMDB), Paulo Pedra (PDT) e Waldecy Chocolate (PP).

Shimabukuro, que esteve presente, esclareceu que "ele [Delcídio] está ajudando o Bernal, porque o Bernal precisa dar certo para a eleição do Delcídio. Isto é mais um dos motivos para ajudar o prefeito. Com o Delcídio eleito, o Pedro Chaves, que é primeiro suplente do atual senador, assume".

O vereador Paulo Siufi, presidente da CPI da Inadimplência e integrante da base adversária do prefeito, poderá mudar de lado e começar a fazer parte dos aliados de Bernal da Câmara depois da reunião de ontem. "Em 2014, há a possibilidade de apoiar o Delcídio. Quem não tem pecado, que atire a primeira pedra! Preciso esperar a decisão do partido, mas fui à reunião como amigo pessoal".

Siufi ainda alegou estar seguindo o líder maior do partido em Mato Grosso do Sul, o governador André Puccinelli (PMDB), que disse que, caso o partido não apóie a candidatura de Dilma Roussef (PT) à reeleição na Presidência, ele irá se afastar. "Não aceito mordaça, nem cabresto, nem do partido e nem de ninguém", finalizou.

Quando questionado sobre a candidatura do ex-prefeito de Campo Grande, Nelson Trad Filho (PMDB), Siufi se restringiu a dizer "Nelsinho foi melhor administrador, mas precisa chamar os vereadores para compor a aliança com os aliados".

O integrante do PDT, vereador Paulo Pedra, quando questionado sobre o suposto grupo de articulação da Câmara Municipal, que seria liderado por Siufi, da qual ele também, hipoteticamente, faria parte, perguntou "existe G7?".

Chocolate, que antes fazia parte da base aliada e, após uma série de episódios pessoais envolvendo o prefeito, mudou de lado, falou à equipe do TopMídia News que "o Delcídio nos chamou pra conversar e disse que o Bernal poderia estar melhor, mas não ouve ninguém. O prefeito está nas mãos do Pedro Chaves, e se o Pedro abrir mão, o Bernal já era. Chaves é o vínculo do Delcídio com a administração municipal".

O vereador foi discreto ao dar sua declaração final. "Não fui participar de G5, nem de G6 ou G7. Fui para ouvir o que o Delcídio tinha pra me dizer", finalizou.

Veja também