Menu
segunda, 06 de dezembro de 2021 Campo Grande/MS
CONSTRUINDO O SABER 29/11 A 29/12
Política

Estupradores tratam alma da mulher como lixo, diz Cármen Lúcia

28 maio 2016 - 12h12Por Congresso em foco

Vice-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), a ministra Cármen Lúcia divulgou nota em que defende célere e severa punição aos autores do estupro coletivo cometido contra uma adolescente de 16 anos, no Rio de Janeiro, na última segunda-feira (23). Cármen, que assumirá a presidência da mais alta corte brasileira em setembro, afirma que a luta contra a “barbárie” deve ser intensa para evitar a repetição de episódios como esse.

A garota foi violentada por mais de 30 homens.  Segundo a ministra, a sociedade precisa compreender que a vítima não é apenas a garota violentada, mas “cada ser humano capaz de ver o outro e no outro a sua própria identidade”.

“Não pergunto o nome da vítima: é cada uma e todas nós mulheres e até mesmo os homens civilizados, que se põem contra a barbárie deste crime, escancarado feito cancro de perversidade e horror a todo o mundo”, diz Cármen. “O gravíssimo delito praticado contra essa menor – mulher e, nessa condição, sujeita a todos os tipos de violência em nossa sociedade – repugna qualquer ideia de civilização ou mesmo de humanidade, acrescenta.

De acordo com a ministra, os criminosos veem o corpo da mulher como “flagelo” e sua alma como “lixo”.  “Repito: a nós mulheres não cabe perguntar quem é a vítima: é cada uma e todas nós. Nosso corpo como flagelo, nossa alma como lixo. É o que pensam e praticam os criminosos que haverão de ser devida e rapidamente responsabilizados.”

O estupro coletivo, cometido na última segunda-feira (23) contra a jovem, moradora da zona oeste fluminense, teve requintes de crueldade e exibição na internet e grupos de WhatsApp – postado em redes sociais por alguns dos próprios agressores, que fizeram questão de mostrar seus rostos, o vídeo foi distribuído com velocidade e, com a devida identificação dos autores, propiciou a abertura de uma investigação com ampla repercussão nacional e internacional. Desde então, o episódio gerou uma série de protestos, principalmente nas redes sociais.


Leia a íntegra do texto escrito pela ministra:


“Não pergunto o nome da vítima: é cada uma e todas nós mulheres e até mesmo os homens civilizados, que se põem contra a barbárie deste crime, escancarado feito cancro de perversidade e horror a todo o mundo.


O gravíssimo delito praticado contra essa menor – mulher e, nessa condição, sujeita a todos os tipos de violência em nossa sociedade – repugna qualquer ideia de civilização ou mesmo de humanidade.


É inadmissível, inaceitável e insuportável ter de conviver sequer com a ideia de violência contra a mulher em nível tão assustadoramente hediondo e degradante. Não é a vítima que é apenas violentada. É cada ser humano capaz de ver o outro e no outro a sua própria identidade.


A luta contra tal crueldade é intensa, permanente, cabendo a cada um de nós – mais ainda juízes – atuar para dar cobro e resposta à sociedade contra tal chaga da sociedade.


O que ocorreu não é apenas uma injustiça a se corrigir; é uma violência a se responsabilizar e a se prevenir para que outras não aconteçam.


Repito: a nós mulheres não cabe perguntar quem é a vítima: é cada uma e todas nós. Nosso corpo como flagelo, nossa alma como lixo. É o que pensam e praticam os criminosos que haverão de ser devida e rapidamente responsabilizados.