TCE MAIO
(67) 99826-0686
PMCG - Prestação de contas

“Foi uma declaração infeliz”, diz Paulo Siufi sobre Giroto

Críticas Políticas

13 JAN 2014
Ana Rita Chagas
15h14min
Foto: Izaias Medeiros

 

Na última sexta feira (10), o secretário estadual de obras Edson Giroto em entrevista coletiva causou polêmica por meio de sua declaração a respeito da postura do vereador Jamal Salem (PR) diante da possibilidade da sua adesão à base aliada do prefeito Alcides Bernal (PP). Ambos, Jamal e Giroto, são do mesmo partido. Na ocasião, Giroto afirmou que ele mesmo pediria a expulsão do vereador, caso contrariasse a decisão do Partido da República em manter a oposição ao Chefe do Executivo.

 

Em entrevista ao TopMídia News, Paulo Siufi (PMDB) pontuou a declaração de Giroto. “Acredito que a política não se faz com radicalismo, não se faz com ameaças. Isso ficou lá atrás, na época do coronelismo”, afirmou.

 

Para o vereador que se mantém na oposição ao prefeito da Capital, Giroto foi infeliz na declaração à imprensa. “Não aconteceu em boa hora, isso é muito ruim e não cheira bem”, definiu.

 

Paulo Siufi, ex-correligionário de Edson Giroto (já que este era PR, disputou as eleições municipais de Campo Grande pelo PMDB e voltou ao PR), não há diferença entre a situação de Jamal e a do próprio secretário de obras de MS. “Ele não está em posição de questionar a postura de ninguém, já que também trocou de partido de acordo com seus interesses. Mas deixo claro que estou expondo a minha opinião, pois essa é uma briga deles.”

 

Questionado acerca da imagem que Giroto apresenta dentro do partido, Paulo Siufi acrescenta: “Ele tem sido um bom secretário de obras do Estado de Mato Grosso do Sul, trabalha bastante, mas é óbvio que o que ele disse não pegou bem. A gente percebe a repercussão nas redes sociais”.

 

Cabe destacar que o vereador republicano comentou em declaração à imprensa que Giroto teria manipulado pesquisa para intenção de voto na época das eleições à prefeitura da Capital e acabou escolhido pelo PMDB para ser o candidato da sigla. Na ocasião o nome mais cotado para representar o partido era Paulo Siufi (presidente da Câmara Municipal).

Veja também