TOP MIDIA INSTITUCIONAL
Menu
domingo, 26 de junho de 2022 Campo Grande/MS
GOV ENERGIA ZERO JUNHO 2022
GOV CRESCIMENTO JUNHO 2022
GOV CRESCIMENTO JUNHO 2022
Política

Gabinete do Ódio agora ameaça Tereza Cristina, bastião de MS na União

Mandetta saiu após troca crise pública; seria a vez de outra sul-mato-grossense?

17 abril 2020 - 13h00Por Vinícius Squinelo

Até o momento considerada um dos bastiões do governo Jair Bolsonaro, a ministra Tereza Cristina entrou na pauta de ataque do já conhecido ‘gabinete do ódio’. A responsável pela agricultura brasileira começou a ser atacada pela milícia digital. O motivo? Supostamente estar beneficiando a China em detrimento dos Estados Unidos.

Na matemática das finanças mundiais, a conta brasileira é simples: a China é a maior compradora de alimentos, liderando também as importações do Brasil. Para se ter uma ideia, no primeiro trimestre deste ano – dado mais recente – o gigante asiático gastou 6,5 bilhões de dólares com alimentos brasileiros. Os Estados Unidos, 676 milhões de dólares.

Foi a ministra de Mato Grosso do Sul que conseguiu contornar, ano passado, a crise com outro gigantes das compras: o Irã, quarto maior comprador brasileiro, após polêmica com o presidente. Agora, vê a China ser atacada pelos filhos de Jair, e até pelo ministro da Educação Abraham Weintraub por motivos ideológicos.

Conforme o jornalista Mauro Zafalon, especialista em política e commodities, a ministra prefere não entrar na briga. Mas, mesmo assim, está sendo colocada nela. A ‘neutralidade’ de Tereza é vista pelo gabinete do ódio liderado pelo Zero 2 Carlos Bolsonaro como ‘sinal’ do apoio dela à China.

Assim, a semana vai se encerrando com um novo alvo para a artilharia das milícias sociais: Tereza Cristina. Por enquanto, ela segura as pontas e não entra no radar público do presidente. Por enquanto.