Menu
segunda, 17 de janeiro de 2022 Campo Grande/MS
Política

Jamal diz que Bernal oferecia até R$ 1 milhão para não ser cassado

Coffee Break

26 outubro 2015 - 10h06Por Anna Gomes e Dani Nascimento

O ex-secretário Municipal de Saúde e atual vereador de Campo Grande, Jamal Salem (PR), chegou às 9h20 desta segunda-feira (26) na sede do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado), para prestar esclarecimentos sobre as denúncias feitas contra o prefeito da Capital, Alcides Bernal (PP). O vereador acusou o Chefe do Executivo, garantindo que ele teria oferecido propina para não ser cassado, o que ocorreu em março do ano passado.

Jamal diz estar com documentos importantes e que vai ajudar nas investigações, mas afirmou que, a princípio, prefere revelar suas declarações apenas no final do depoimento.

Sobre a acusação, Jamal garante que ouviu 'centenas de casos' de Bernal oferecendo de R$ 500mil a R$ 1 milhão para os vereadores, na intenção de não ser cassado.

Jamal nega ter recebido algum tipo de proposta do atual prefeito e ressalta que não foram os vereadores que passaram essa informação a ele. Quando questionado se seria perigoso realizar acusações sem provas concretas, o vereador rebate: 'não, vim agregar novas provas'.

Bernal nega ter convidado Jamal para ser Secretário de Saúde do município; na contramão, o vereador diz que 'várias pessoas podem provar o contrário'.

Sobre o primeiro depoimento do vereador no Gaeco, ele diz que se sentiu ofendido com as perguntas feitas pelos investigadores. "Me senti injustiçado com todo o movimento que aconteceu aquele dia e as perguntas foram dirigidas como se alguém tivesse me comprado. Acredito que se tivesse votado contra a cassação, o Ministério Público teria me chamado de irresponsável", explicou.