TCE MAIO
TJMS MAIO
Menu
quarta, 25 de maio de 2022 Campo Grande/MS
CÂMARA MUNICIPAL MAIO 2/3 ANO
Política

Mais novo candidato ao Senado, Delcídio diz que já está 'incomodando muita gente'

Ex-senador registrou a candidatura ontem (17) no Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul

18 setembro 2018 - 16h05Por Kerolyn Araújo

O ex-senador Delcídio do Amaral, que ficou mais de dois anos afastado da política após ser preso em 2016, está tentando voltar a ocupar uma vaga no Senado. Candidato pelo PTC após a desistência de Cesar Nicolatti, Delcídio disse, na tarde desta terça-feira (18), que sua candidatura já está 'incomodando muita gente'.

Para o político, que registrou a candidatura na segunda-feira (17), no Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul (TRE-MS), apesar de ter pouco mais de 15 dias de campanha, confia nos trabalhos já realizados no Estado para conseguir os votos que precisa para ser eleito.

''É um desafio muito grande, praticamente 20 dias de campanha. Vou me apresentar em cima das coisas que já fiz e pretendo fazer por Mato Grosso do Sul. Não tenho dúvidas que já estou atrapalhando muita gente com a minha candidatura", disse.

Segundo Delcídio, o partido cogitou a candidatura para outra vaga. ''Apesar do Senado ser mais concorrido, optamos por ele. Será uma disputa difícil, já que outros candidatos já estão na rua há mais tempo", explicou.

Quanto ao PT, antigo partido, Delcídio foi sucinto ao dizer que não guarda mágoas e que pretende esquecer o passado.

Candidatura

Apesar de ter registrado a candidatura, Delcídio ainda pode ser impedido de disputar a eleição de outubro. O TRE está analisando o registro e tem um prazo de cinco dias, a partir da data de protocolo, para contestar o pedido de candidatura. 

Absolvição

O ex-senador ficou inelegível por oito anos ao ser cassado pelo Senado Federal. Ele foi acusado de tentar comprar o silêncio do ex-diretor da Petrobras, Nestor Cerveró, para evitar uma delação premiada e chegou a ficar preso por 87 dias.

No dia 12 de julho deste ano, Delcídio foi inocentado pela  Justiça Federal do Distrito Federal, em um dos processos, por falta de provas.