Menu
quarta, 25 de novembro de 2020
Política

Mesmo se ficarem sem teto, trabalho do legislativo continuará afirma Mário César

Despejo Câmara

19 novembro 2013 - 14h30Por Juliene Katayama e Carlos Guessy

O presidente da Câmara Municipal de Campo Grande, Mario Cesar (PMDB), declarou nesta terça-feira (19) que se os vereadores ficarem sem sede própria depois do despejo cujo prazo encerra no fim de março, o trabalho do Legislativo não será prejudicado.


"O trabalho dos vereadores não vai parar. O único problema é a acomodação de todos. Sem esquecer da dificuldade para a população acompanhar os nossos trabalhos", afirmou o presidente.


O prazo concedido pela justiça vai até o fim de março de 2014 para a desocupação do prédio. Caso termine esse prazo, os vereadores seriam despejados e os trabalhos do legislativo não seriam prejudicados porque as sessões da Câmara podem ser itinerantes. "Podemos fazer sessão itinerante. Até uma escola municipal pode ser utilizada", disse.


Há dez anos o Executivo e o Legislativo vivem o impasse sobre o prédio da Câmara. O despejo causa desconforto entre os vereadores da Capital. "Não foi a câmara que criou esse problema, muito menos o prefeito que hoje ocupa o cargo. Este é um problema da prefeitura", disse o vereador.


Mário César lembrou que a Câmara devolveu R$ 39 milhões da sobra do duodécimo de 2005 a 2012. Neste ano, o peemedebista pretende usar o recurso para resolver o impasse. Segundo o presidente, ele não tem o poder de destinar a sobra do duodécimo para resolver o problema do prédio, mais vai buscar mecanismos para quitar os débitos.


Uma das soluções apresentadas por Mario Cesar seria a desapropriação do atual prédio. "A solução mais rápida seria a desapropriação até pelo tempo escasso para resolver o problema", disse o presidente. A proposta foi apresentada ao prefeito que até o momento não deu resposta.


Responsabilidade - No dia 15 de agosto de 2013 uma reunião foi realizada com o promotor do MPE (Ministério Público Estadual), Fabrício Proença de Azambuja; o presidente da Câmara, vereador Mario Cesar, e o então procurador-geral do Município, Luiz Carlos Santini, para discutir o futuro do prédio da Câmara da Capital.


"Um projeto foi apresentado para o Executivo de uma área na Av. Duque de Caxias que pertence a União. No caso, a União cederia a área e a prefeitura só teria que construir o prédio, mas o prefeito Bernal não aceitou", disse Mario Cesar.


Fora de hipótese - Mario Cesar discorda da posição do líder do prefeito, Alex do PT em pagar aluguer até sair a decisão. "Não vamos pagar o aluguel e juros. São recursos que não retornam. Essa ideia é incábivel", disse o presidente.

Leia Também

Não falha uma: acusada de racismo e homofobia em padaria é apoiadora de Bolsonaro
Geral
Não falha uma: acusada de racismo e homofobia em padaria é apoiadora de Bolsonaro
Coautora: fiscal do Carrefour é presa por envolvimento em espancamento e morte de cliente
Geral
Coautora: fiscal do Carrefour é presa por envolvimento em espancamento e morte de cliente
'Alegre e amava os pais', revela prima de chargista esquartejado por massagista
Cidade Morena
'Alegre e amava os pais', revela prima de chargista esquartejado por massagista
Mudou de casa? Sanesul dá dicas de como transferir titularidade para outra residência
Cidades
Mudou de casa? Sanesul dá dicas de como transferir titularidade para outra residência