TCE MAIO
(67) 99826-0686

Moreira Franco nega carta de demissão e diz que permanece no governo

Secretário-executivo do governo se diz comprometido com compromissos econômicos

14 DEZ 2016
Globo
13h15min
Foto: Jorge William / Agência O Globo

O secretário-executivo do Programa de Parcerias de Investimentos, Moreira Franco, negou, nesta quarta-feira, estar deixando o governo após ser citado na delação do ex-executivo da Odebrecht, Cláudio Mello Filho. Em nota, Moreira Franco afirmou que segue comprometido com os compromissos assumidos na economia e no programa de concessões. De acordo com o colunista Ricardo Noblat, o secretário-executivo tem pronta uma carta de demissão.

"Estou dedicado a colaborar no lançamento das medidas microeconômicas e no fortalecimento do programa de concessões. Não abandono lutas quando acredito nelas", afirmou Moreira Franco.

Responsável pelo programa de concessões do governo federal e um dos principais conselheiros do presidente Michel Temer, o ex-governador do Rio passou os últimos dias mais focado na preparação de sua defesa das acusações emergidas dos primeiros documentos da delação da Odebrecht.

Segundo pessoas próximas, Moreira tem se mostrado triste e abatido e decidiu escrever a carta para deixar o presidente à vontade e evitar maiores desgastes ao Planalto. Na proposta de acordo de delação premiada, o ex-vice-presidente de Relações Institucionais da Odebrecht, Cláudio Melo Filho, o acusou de ter recebido propina para beneficiar a empreiteira quando era ministro da Aviação Civil do governo da presidente Dilma Rousseff.

A proposta de delação de Cláudio Mello revela denúncias de pagamento de recursos de caixa dois para campanhas eleitorais de diversos políticos do PMDB e integrantes do primeiro escalão do governo federal, como o chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, além do presidente do Senado, Renan Calheiros. O próprio presidente Michel Temer é citado. O ex-executivo da empreiteira disse que Temer procurou Marcelo Odebrecht com pedido de R$ 10 milhões. O dinheiro teria sido entregue em espécie no escritório do advogado José Yunes, amigo e assessor especial do presidente Temer, durante a campanha eleitoral de 2014.

Políticos de diferentes partidos, como PT e DEM, como o ex-governador da Bahia e ex-ministro de Lula e Dilma, Jaques Wagner, e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, também são citados. A delação ainda depende de homologação do Supremo Tribunal Federal (STF).

Em nota, Moreira Franco disse estar comprometido com os compromissos do governo:

"Estou dedicado a colaborar no lançamento das medidas microeconômicas e no fortalecimento do programa de concessões. Não abandono lutas quando acredito nelas", afirmou.

  

Veja também